Eurogrupo reúne com evolução da economia e solvência do sector empresarial na agenda

Ministros das Finanças da zona euro reúnem esta segunda-feira à tarde para debater a evolução da economia, fazendo também um ponto de situação sobre a solvência do sector empresarial.

Manuel de Almeida/Lusa

Os ministros das finanças da zona euro reúnem-se esta segunda-feira com uma agenda recheada, onde se inclui o acompanhamento da evolução económica nos países da moeda única e um ponto da situação da solvência do sector empresarial, mas também uma reflexão sobre o papel do euro.

“O Eurogrupo procederá a uma troca de pontos de vista sobre a evolução macroeconómica e as perspetivas políticas na área do euro”, pode ler-se na nota de agenda sobre a reunião que irá ter lugar esta tarde em formato de videoconferência.

O grupo informal dos ministros dos países da moeda única irá centrar-se nas previsões de inverno da Comissão Europeia, publicadas na semana passada, e “nas informações mais recentes sobre a evolução da situação no domínio da saúde apresentadas por Michael Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências Sanitárias da Organização Mundial da Saúde (OMS), e por Bruce Aylward, conselheiro principal responsável pela missão conjunta OMS-China sobre a Covid-19”.

O impacto da pandemia no sector empresarial também estará em discussão entre os ministros, que com base numa nota elaborada pela Comissão Europeia irão analisar a evolução mais recente da solvência do sector empresarial.

“A pandemia de Covid-19 teve um forte impacto no sector empresarial, levando os governos a alargar as medidas inéditas de apoio público à economia. Por conseguinte, é necessário acompanhar a situação no sector empresarial e trocar pontos de vista sobre a melhor forma de orientar esse apoio”, refere o grupo presidido por Paschal Donohoe, que adianta que em abril irá ocorrer um debate temático sobre os quadros de insolvência.

Os ministros irão debruçar-se ainda sobre o papel internacional do euro, dando seguimento às orientações da Cimeira do Euro de dezembro de 2020 e à publicação da comunicação da Comissão Europeia, em janeiro de 2021, intitulada “O sistema económico e financeiro europeu: promover a abertura, a solidez e a resiliência”.

Na agenda está ainda o debate sobre o plano orçamental atualizado da Lituânia para 2021, com base no parecer da Comissão de 21 de janeiro de 2021 e as prioridades políticas do novo governo da Estónia.

Recomendadas

Bruxelas vê PRR a contribuir para aumento do PIB português entre 1,5% e 2,4% até 2026

A Comissão Europeia estima que o Plano de Recuperação e Resiliência poderá levar à criação de 50 mil postos de trabalho. Simulações dos técnicos do executivo estima que as verbas do NextGeneration EU farão o PIB português crescer entre 0,9% e 1,1%, com o impacto a subir no próximo ano, para um desvio face a um cenário sem bazuca entre 1,4% e 1,9%. 
mario_centeno_banco_de_portugal_1

Da estabilidade da legislação laboral e financeira à reforma da gestão do SNS: a receita de Centeno para a “solidez” da recuperação

O governador do Banco de Portugal está confiante na retoma da economia, mas deixa um guião para garantir que a recuperação é sólida. Desde a administração pública, passando pelo setor empresarial e pelo sistema financeiro, Mário Centeno tem recomendações para as as diferentes esferas.

“Ordenado, metódico e transparente”. É assim que a Fed quer o processo de redução de compra de ativos

“Posso apenas dizer que vemos valor real em comunicar com antecedência o nosso pensamento, e tentaremos ser claros e avisaremos com antecedência antes de anunciar a decisão de ‘taper'”, afirmou Jerome Powell, ‘chairman’ da Reserva Federal.
Comentários