Europeias: PAN marca diferença dos restantes partidos com sensibilização para pegada ecológica

A iniciativa de limpeza e compensação da pegada ecológica serviu para o PAN se distanciar dos restantes partidos, em matéria de ambiente, e levou à recolha de 15.175 litros de lixo urbano e mais de 25 litros de beatas, em todo o país.

Cristina Bernardo

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) mobilizou 585 pessoas e vários participantes não inscritos numa ação de campanha para as eleições europeias, centrada na recolha de lixo urbano, marinho e misto. A iniciativa serviu para o PAN marcar a diferença dos restantes partidos políticos e levou à recolha de 15.175 litros de lixo urbano e mais de 25 litros de beatas, em todo o país.

A ideia inovadora pretendeu reunir residentes dentro e fora de Portugal e sensibilizá-los para a limpeza dos espaços e necessidade de compensar a pegada ecológica. A ação de campanha decorreu em todo o país, através de uma plataforma online, que selecionou e reagrupou, em pouco mais de duas semanas, os grupos e indivíduos inscritos por região. A plataforma elegeu também o sítio em que poderiam contribuir com a limpeza, juntando-se à equipa do PAN, em diferentes pontos do país.

“Esta iniciativa de limpezas em Parques Florestais, Praias e Zonas Urbanas, promovida no ambiente digital, contou com uma surpreendente adesão e cumpriu os objetivos do PAN de diminuir o impacto da campanha eleitoral do PAN para o Parlamento Europeu e marcar a diferença no que respeita à pegada ecológica dos partidos políticos principalmente durante as campanhas”, explica fonte do partido, em comunicado.

O eurodeputado austríaco Thomas Waitz, que integra a família dos Verdes Europeus/Aliança Livre Europeia, juntou-se ao cabeça de lista do PAN, Francisco Guerreiro, na ação de limpeza que decorreu no sábado de manhã em Monsanto. A tarde foi dedicada à limpeza de praia na Costa da Caparica.

“Em Portugal, cada cidadão produz quase 500 quilos de lixo por ano, mas a dimensão do problema aumenta substancialmente quando se fala da gestão dos espaços públicos, principalmente durante as campanhas eleitorais, com a quantidade de materiais impressos e distribuídos na rua”, sublinha a mesma fonte do partido.

Recomendadas

CGD: Faria de Oliveira confirma que ex-gestores preparam queixa contra auditoria da EY

Queixa de ex-gestores da CGD contra a EY por causa dos alegados erros e incorreções na auditoria de gestão poderá dar entrada na CMVM, confirmou ex-presidente do banco público no Parlamento. Faria de Oliveira já tinha considerado que relatório “enviesado”, “viciado” e “descuidado”. E, diz, que antigos administradores querem “verificação da consistência” da auditoria.

Faria de Oliveira: “Banco de Portugal não questionou” CGD sobre projeto La Seda

Antigo presidente da CGD avançou no Parlamento que o banco público “não sentiu necessidade de partilhar” as preocupações quando ao crédito concedido a  à empresa catalã. Nem o Banco de Portugal questionou a Caixa sobre o assunto numa altura em que já havia indicação de problemas relativos ao crédito concedido à La Seda que resultou em perdas de 211 milhões de euro para o banco.

“Obrigação de defender estabilidade financeira” ditou decisão de não executar garantias de Berardo, diz Faria de Oliveira

A estabilidade do sistema financeiro português ditou que a  Caixa Geral de Depósitos (CGD) não tivesse executado as garantias do empréstimo dado a José Berardo (acções do BCP), rebatendo o argumento do empresário madeirense de que se a Caixa tivesse vendido as acções do BCP não tinha perdido nada na sequência do crédito de 350 milhões, apontado pela auditora EY como um dos mais ruinosos para o banco público.
Comentários