Eurostat: Portugal registou o segundo maior recuo na variação mensal nas vendas a retalho

Os maiores recuos mensais foram registados na Alemanha (-2,0%), em Portugal (-1,0%) e na Croácia (-0,9%).

As vendas a retalho aumentaram em abril na zona euro e na União Europeia (UE), face ao mês homólogo, e Portugal registou o segundo maior recuo na variação mensal, divulgou o Eurostat esta quarta-feira, 5 de junho. Em Portugal o recuo foi de 1%.

Face ao mesmo mês de 2018, o volume das vendas do comércio a retalho aumentou na zona euro 1,5% e na UE 2,9%.

Na comparação com março, a evolução foi em sentido contrário, com as vendas a retalho a recuarem 0,4% na zona euro e 0,3% na UE. No caso da zona euro, foram os bens alimentares, bebidas, tabaco, bens não-alimentares e combustível a contribuírem mais para o decréscimo registado, enquanto no caso da UE o principal motor da descida percentual foram os bens não-alimentares.

Os maiores recuos mensais foram registados na Alemanha (-2,0%), em Portugal (-1,0%) e na Croácia (-0,9%) e as principais subidas na Suécia (2,4%), na Eslovénia (2,0%) e em Malta (1,7%), segundo os dados do gabinete estatístico europeu.

Na variação homóloga, as subidas mais fortes do indicador foram observadas na Eslovénia (12,7%), na Lituânia (10,2%) e na Irlanda (10,1%), tendo havido apenas duas quebras: na Alemanha (-0,9%) e na Bulgária (-0,2%).

Em Portugal, as vendas a retalho subiram 6,7% entre abril de 2018 e igual mês de 2019.

[Com Lusa]

 

Recomendadas

EUA: Powell reitera novamente apoio da Fed à retoma e aponta a “teste mais exigente” no capítulo laboral

O presidente da Fed voltou a reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

Fed revê crescimento dos EUA em baixa e inflação em alta para este ano

A Reserva Federal estima que o crescimento real do PIB norte-americano seja menor do que os 7% estimados em junho, apontando agora para 5,6% em 2021, mas prevê que 2022 traga uma evolução do PIB mais favorável do que o calculado há três meses.

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.
Comentários