Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

A indústria do vestuário registou uma queda de 43% em exportações no mês de maio. No total, este setor exportou apenas cerca de 152 milhões de euros em maio, em comparação com 271,1 milhões de euros registados com o mesmo período no ano passado.

A tendência de queda vai em linha com o fraco volume de exportações registados pelo Instituto Nacional de Estatística no mesmo período que indica uma queda de 39%.

De acordo com os dados da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confecção (ANIVC), a queda foi generalizada nos principais mercados da indústria portuguesa de vestuário, tendo sido mais acentuada em Espanha, onde superou os 66%. Houve ainda perdas superiores a 40% nos EUA, onde se registou uma queda 47%, nos Países Baixos (menos 43,7%), enquanto para o Reino Unido as exportações baixaram 39%.

No total, nos primeiros cinco meses do ano a indústria portuguesa de vestuário acumulou uma redução de 22,7% das exportações, equivalente a menos 303,9 milhões de euros.

“Esta queda nas exportações é significativa e impossível de recuperar no resto do ano”, sublinha César Araújo, presidente da ANIVC, em comunicado. “Este é o terceiro mês de redução abrupta nas encomendas, resultado do confinamento que ainda se vive um pouco por todo o mundo e que faz com que a retoma seja muito lenta”, acrescenta.
O responsável pela instituição defende que as empresas de vestuário e confecção “continuam a ser fortemente prejudicadas pela quebra no consumo” e pede que o “Governo mantenha mecanismos de apoio, como o modelo de lay-off simplificado, para evitar despedimentos e manter a sustentabilidade desta indústria”.

Recomendadas

Governo estabelece horários mais flexíveis para estabelecimentos comerciais em Lisboa

“Nos territórios que estão em contingência, neste momento a Área Metropolitana de Lisboa, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pode, de acordo com parecer das forças de segurança e da autoridade local de saúde, fazer alterações nos horários dos estabelecimentos comerciais”, esclareceu a governante.

Euribor sobem a três e a 12 meses e caem a seis meses

A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou para -0,433%, menos 0,005 pontos que na quarta-feira, contra o atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015, de -0,114%.

Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.
Comentários