Exportações dos países lusófonos para a China sobem 0,06% em 2019

As exportações dos países de língua portuguesa para a China subiram 0,06% em 2019, em comparação com o ano anterior, de acordo com os Serviços da Alfândega chineses.

As importações chinesas do bloco lusófono foram de 105,57 mil milhões de dólares (cerca de 96 mil milhões de euros), indicaram.

Já as exportações da China para os países de língua portuguesa foram de cerca de 44 mil milhões de dólares (cerca de 40 mil milhões de euros), ou mais 5,3% entre janeiro e dezembro passados, comparativamente a igual período de 2018.

De acordo com os dados dos Serviços de Alfândega chineses, as trocas comerciais entre a China e os países lusófonos fixaram-se em 149,6 mil milhões de dólares (cerca de 131 mil milhões de euros) em 2019, verificando-se um crescimento homólogo de 1,55%.

O Brasil continua a ser o principal parceiro da China no âmbito do bloco lusófono, tendo registado trocas comerciais de 114,46 mil milhões de dólares (cerca de 104 mil milhões de euros), mais 3,49% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em 2019, Brasília exportou para Pequim produtos no valor de 79 mil milhões de dólares (cerca de 72 mil milhões de euros), mais 2,76% do que nos meses de janeiro a dezembro de 2018, com o Brasil a adquirir à China bens no valor de 35,47 mil milhões de dólares (cerca de 32 mil milhões de euros), uma diminuição de 5,18%.

Angola surge no segundo lugar do ‘ranking’ lusófono com trocas comerciais com a China no valor de 25,4 mil milhões de dólares (cerca de 23 mil milhões de euros), com Luanda a enviar para Pequim produtos no valor de 23 mil milhões de dólares (cerca de 21 mil milhões de euros), menos 8,67%, e a fazer compras de 2,06 mil milhões de dólares (cerca de 1,8 mil milhões de euros), menos 7,95%.

As trocas comerciais entre China e Moçambique foram de 2,6 mil milhões de dólares (cerca de 2,4 mil milhões de euros), um aumento de 6,06%, comparando com 2018.

Já Portugal exportou no ano passado para a China produtos no valor de 2,31 mil milhões de dólares (2,09 mil milhões de euros), mais 3,14%, relativamente ao período homólogo de 2018.

As importações de produtos chineses aumentaram 14,77%, em relação ao mesmo período do ano passado. Portugal importou da China bens no valor de aproximadamente 4,32 mil milhões de dólares (3,9 mil milhões de euros).

De acordo com dados oficiais publicados no portal do Fórum Macau, com base nas estatísticas dos Serviços de Alfândega chineses, as trocas comerciais entre Lisboa e Pequim ascenderam a 6,64 mil milhões de dólares (6,03 mil milhões de euros) em 2019, quando no ano anterior tinham sido de 6,01 mil milhões de dólares (cerca de 5,5 mil milhões de euros).

A China estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como plataforma para a cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que criou o Fórum Macau.

Em 2018, Portugal exportou para a China produtos no valor de 2,24 mil milhões de dólares (1,99 mil milhões de euros, ao câmbio da época), mais 5,59% relativamente ao período homólogo de 2017, e as trocas comerciais entre Lisboa e Pequim ascenderam a seis mil milhões de dólares (5,3 mil milhões de euros) em 2018, o que corresponde a um aumento de cerca de 408 milhões de dólares (364 milhões de euros), em comparação com 2017.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19. 50 ventiladores e mais material médico encomandados pela EDP devem chegar esta semana

“Conseguir o material mais crítico nesta luta de todos contra a pandemia foi possível pelo nosso compromisso e pelo apoio decisivo da China Three Gorges e da embaixada portuguesa na China”, disse António Mexia, CEO da EDP, em comunicado.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

Pais apoiam solução da escola por TV Cabo mas querem mais medidas

“Este pode ser um instrumento que ajuda a minimizar as diferenças e desigualdades entre escolas e famílias, mas não vale o problema de interação entre o professor e o aluno, que precisa de ‘feedback’ para assuntos que não percebeu ou para problemas que resolveu”, disse à Lusa Jorge Ascenção, presidente da Federação Nacional das Associações de Pais (Confap).
Comentários