Facebook remove rede pró-Trump baseada na Roménia

O Facebook revelou que removeu recentemente uma pequena rede de contas a operar a partir da Roménia que promovia a campanha de reeleição do presidente Donald Trump.

O Facebook revelou que removeu uma pequena rede de contas a operar a partir da Roménia que promovia a campanha de reeleição de Trump com histórias sobre o seu apoio a negros norte-americanos e cristãos, entre outras.

Muitas das 35 contas do Facebook e 88 do Instagram da rede romena fingiram ser norte-americanas, e algumas administraram páginas de fãs de Trump, mas entraram em conflito com as regras da rede social sobre comportamento falso. Além de enganar as pessoas sobre a sua localização, alguns titulares das contas fingiam várias identidades com nomes semelhantes que postavam conteúdos idênticos.

A rede teve um alcance pequeno, com apenas 1.600 contas seguindo as páginas do Facebook e 7.200 a seguir as contas no Instagram, que é também propriedade do Facebook. O gestor da política de segurança do Facebook, Nathaniel Gleicher, disse que a empresa não foi capaz de confirmar se o grupo romeno foi motivado por dinheiro, ideologia ou diretiva governamental.

O Gabinete de Pesquisa Forense Digital do Atlantic Council, organização sem fins lucrativos, disse que algumas páginas partilhavam apenas conteúdo da página de Trump, enquanto outras promoviam a rede QAnon, conotada com notícias falsas e teorias da conspiração. Esta rede concentra várias teorias em torno da ideia de que Trump está secretamente a travar uma guerra contra poderosos democratas que adoram o diabo e abusam de crianças. O FBI alertou no ano passado para que o QAnon tem motivações extremistas e violentas.

O Facebook já removeu redes muito maiores e mais bem conectadas que apoiavam Trump, incluindo uma conetada ao Epoch Times, que foi fundada por apoiadores do movimento espiritual Falun Gong e era frequentemente crítica do governo da China.

Recomendadas

Londres aplica sanções a Lukashenko, filho e membros do regime da Bielorrússia

As sanções incluem proibição de viagens e congelamento de bens de oito indivíduos do regime bielorrusso a Alexander Lukashenko, o filho Victor Lukashenko e Igor Sergeenko, chefe de gabinete do Presidente.

Covid-19: Merkel defende novas medidas após Alemanha registar 2 mil novos casos

A líder alemã quer limitar o número de participantes em reuniões ou celebrações privadas a 25 pessoas, e em espaços públicos a 50.

Abrandamento das importações chinesas aos EUA pode comprometer objetivos do acordo comercial

A primeira fase do acordo comercial entre os dois gigantes prevê um aumento das exportações americanas destinadas à China, uma meta que poderá estar em risco caso se mantenha o ritmo atual de compra de bens norte-americanos pelos chineses.
Comentários