Farfetch vai abrir o novo escritório em Matosinhos até 2025

Arquiteto dinamarquês foi escolhido para criar o ‘Fuse Valley”, que vai contar com os escritórios da plataforma de moda de luxo, mas também toda uma área de outros edifícios de escritórios, serviços e unidade hoteleira promovidas pelo Castro Group.

A Farfetch, plataforma mundial líder do mercado online de moda de luxo, avançou hoje que o seu novo edifício de escritórios em Matosinhos, distrito do Porto, vai estar pronto até 2025.

O novo polo, que vai ter o nome de “Fuse Valley”, foi desenhado de forma integrada numa área total de cerca de 140 mil metros quadrados abrangendo não só os edifícios da Farfetch que representam cerca de 45% da área total, mas também toda a área de outros edifícios de escritórios, serviços e unidade hoteleira que serão promovidos pelo Castro Group.

Seis gabinetes de arquitetura avançaram com propostas e a que ganhou pertence ao gabinete do arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels. O grupo, conhecido por BIG, trabalhou em vários projetos que marcam o panorama arquitetónico mundial e tem demonstrado alguma preocupação com o meio ambiente. Prova disso é o projeto para redesenhar o planeta e parar as alterações climáticas, o Masterplanet, apresentado no final do ano passado, segundo comunicado da empresa divulgado esta quinta-feira, 15 de julho.

José Neves, fundador, CEO e Chairman da Farfetch, o entusiasmo com o projeto e “com a visão que o Bjarke Ingels nos apresentou, não só pelo que vai significar como marco para a empresa, para as nossas pessoas, mas também para a comunidade”. Para o responsável da Farfetch, o projeto vai ser uma revolução sobre aquilo que são os conceitos atuais de espaços de trabalho, marcado pelo cunho futurista, pela orientação para a sustentabilidade e para o bem-estar. Acrescenta ainda que “será um espaço não só para a Farfetch, mas sim para toda comunidade.”

O novo projeto vai representar um importante investimento na região e Luísa Salgueiro, presidente da Câmara Municipal de Matosinhos destaca, no comunicado, a sua importância na estratégia de inovação do município. Para a autarca, vem apenas confirmar “a capacidade e potencial de Matosinhos para fazer parte da revolução digital, atraindo e fixando talento, gerando emprego qualificado, incentivando a criatividade, a inovação e a excelência. Para Luísa Salgueiro, “será mais um “marco de afirmação nacional e internacional do concelho.”

Já Bjarke Ingels, reconheceu, no “Fuse Valley”, características que são também a imagem de marca dos projectos BIG. “À medida que a moda e o e-commerce estão a tornar o retalho cada vez mais livre de limites físicos, as faíscas da inovação e da criatividade ainda voam mais rápido na proximidade”. O sócio fundador e diretor criativo da BIG referiu ainda que “com a Farfetch tentamos unir todos os aspetos da sua organização – o negócio, a arte e a tecnologia – numa vila criativa sob um único telhado. Os pátios conectados e os jardins em cascata estendem o ambiente de trabalho ao ar livre, fazendo da Farfetch uma extensão integral da paisagem natural original e da cultura urbana local,”

Conhecido o resultado e vencedor do concurso de arquitetura, segue-se a apresentação pública do projeto agendada para setembro deste ano, altura na qual serão revelados todos os detalhes do projecto da BIG.

Para Paulo Castro, CEO do Castro Group, “este foi um concurso que abraçámos com a Farfetch e que nos deixou muito entusiasmados. A localização e as valências deste projeto, associadas a uma arquitetura de olhos postos no futuro e na sustentabilidade do planeta, fazem do Fuse Valley, a fusão perfeita entre empresas, pessoas, cultura, arte e comunidade.”

Recomendadas

EDP Renováveis fecha contrato de aquisição de energia de 15 anos para um projeto eólico no Canadá

A EDP Renováveis fechou um contrato com a TransCanada Energy para a venda da energia verde do seu parque eólico de Shap Hills, no Canadá.

Aon e Firma estabelecem parceria para soluções globais de financiamento das empresas

Bernardo Theotónio-Pereira explica a parceria com “as necessidades actuais das empresas” que “passam, na sua maioria, por soluções de tesouraria e de funding céleres e independentes da burocracia e lentidão da banca nacional e/ou de outros players ou fundos ‘abutres’ que se instalaram em Portugal ”.

Quem é a Evergrande e porque está a assustar os mercados mundiais?

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário fez tremer os mercados e há já quem tema um impacto sistémico de elevadas proporções. O Jornal Económico falou com analistas do mercado e com o CEO da Vanguard Properties, que deram a sua visão sobre o que se passou com a Evergrande e que impacto pode ter no mercado.
Comentários