FC Barcelona aposta nas criptomoedas e vai emitir 60 milhões de euros em tokens

O gigante do futebol mundial vai aderir ao blockchain e passará a emitir a moeda digital tokens numa aplicação móvel para os seus adeptos e e seguidores investirem e habilitarem-se a algumas regalias. O Paris Saint-Germain de Mbappé ou a Juventus de Cristiano Ronaldo também já apostaram na moeda digital tokens.

O FC Barcelona de Lionel Messi, Luís Suárez e Antoine Griezmann vai passar a jogar no campo das criptomoedas, uma aposta que a direção de Josep Bartomeu vê como necessária para consolidar, ainda mais, os laços do clube culés com os adeptos que todas as semanas enchem Camp Nou. Mas a ideia é chegar a quem não vai ao estádio. De acordo com a “Bloomberg“, o gigante do futebol europeu vai aderir ao blockchain e passará a emitir a moeda digital tokens numa aplicação móvel para os seus adeptos e seguidores investirem e habilitarem-se a algumas regalias.

Para investir na blockchain e emitir tokens, o clube blaugrana firmou uma parceria com a Chiliz. A moeda digital deverá estar disponível só depois de março, com um custo de dois euros por tokens. Ao todo, o FC Barcelona vai emitir 40 milhões de tokens, com a maior parte da verba arrecadada com o “Barça Fan Tokens” a reverter para os cofres catalães, diz o clube em comunicado.

A aplicação móvel onde os investidores em tokens do Barcelona poderão gerir a sua carteira é a Socios.com. A partir dele poderão participar em inquéritos sobre o clube e habilitar-se a ganhar prémios, quiçá escolher a música que irá passar no estádio de cada vez que a equipa de Messi marcar um golo.

Esta é mais uma ferramenta de fan engagement que existe no mercado. Além do Barcelona, clubes como o Paris Saint-Germain de Mbappé ou a Juventus de Cristiano Ronaldo já apostaram na moeda digital tokens.

Recomendadas

Campeão europeu ‘à lupa’: Liverpool aumenta receitas em todas as frentes

Com a conquista da Liga dos Campeões na época passada, o Liverpool FC aumentou as suas receitas em todos os departamentos, e reforçou a presença na Ásia.

FIFA faturou 5,9 mil milhões de euros entre 2015 a 2018

Dos 5,9 mil milhões, 1,5 mil milhões de euros serão reinvestidos no “desenvolvimento do futebol e outra parte substancial no desenvolvimento do futebol feminino”, sem especificar o valor exato.

Serie A italiana: coronavírus pode obrigar TVs a transmitir jogos gratuitamente

Marzio Perrelli, vice-presidente executivo da Sky Itália, sublinha que “o canal está disposto a fazer sacrifícios” e sugere um “período gratuito” durante o qual vários jogos da primeira liga italiana poderão ser transmitidos em sinal aberto.
Comentários