PremiumFernando Esteves: “O maior problema do jornalismo é o fosso entre jornalistas e leitores”

O jornalista Fernando Esteves criou o “Polígrafo”, o primeiro jornal português de fact-checking , e pretende fazer dele um “referencial de qualidade” que contribua para uma sociedade menos desinformada. Diz que Portugal também é permeável a fenómenos populistas e aponta Paulo Portas como a figura política que mereceria um verdadeira verificação dos factos.

No início do mês, a comunicação social ganhou um novo órgão: O “Polígrafo”, um projeto jornalistíco assente no fact-checking. A ideia é de Fernando Esteves, que diz que este projeto deveria ser “dispensável” – mas não é. O Jornal Económico entrevistou o jornalista que quer criar um laço emocional entre o jornalismo e os leitores.

Como nasceu o Polígrafo?

Ainda na “Sábado” era editor da secção de Política e Internacional e, nessa qualidade, acompanhei de forma muito atenta as últimas eleições americanas, entre Donald Trump e Hillary Clinton. Nessas eleições, surgiu um fenómeno, que já existia, mas que explodiu no plano público, que foi o jornalismo de fact-checking. Donald Trump andava a fazer uma média de três ou quatro mentiras por dia, e os jornais de fact-checking explodiram completamente. Há quem diga que se o fact-checking fosse uma loja de hambúrgueres o Trump seria o néon à porta, porque foi ele que chamou a atenção para este tipo de jornalismo. Eu fiquei fascinado com este fenómeno, mas continuei com o meu trabalho na ‘Sábado’, mas cheguei a março de 2017 e pensei que estava na altura de eu próprio assumir um projeto, em nome pessoal. Tinha chegado a uma fase da minha carreira em que precisava de concretizar as minhas ideias sobre o jornalismo, a sociedade e o papel que o jornalismo deve ter. Decidi abandonar a “Sábado”, com o grau de risco que isso comporta, e tentar montar o projeto.

Porquê o fact-checking, os media em Portugal não cumpriam já esse papel?

Um jornal como o ‘Polígrafo’ devia ser dispensável, porque o fact-checking está na base daquilo que é o processo jornalístico. O que acontece é que o jornalismo tradicional tem-se esvaziado de alguma qualidade. É um projeto para os leitores e não quero que o ‘Polígrafo’ seja encarado como uma espécie de missionário da verdade, mas como referencial de qualidade e um terreno jornalístico de referência quanto às boas práticas da profissão.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Seis realizadores vão receber 2,5 milhões de euros para apoio a primeiras longas de ficção

A este programa de apoio candidataram-se 62 projetos de longa-metragem, tendo o júri e o conselho diretivo do ICA decidido atribuir as verbas a seis produções.

António Lobo Antunes apresenta “José Cardoso Pires e o leitor desassossegado”

Nesta obra, o autor demonstra que a bibliografia de José Cardoso Pires não contém ingredientes de policiais ‘à americana’, e que, nos títulos do escritor português de “O Delfim” e “Balada da Praia dos Cães”, o leitor “é convidado a entrar na investigação”.

“Se puder impedir o meu filho de ser gay eu faço-o”. Kevin Hart desiste de apresentar Óscares após críticas

O ator e comediante desistiu de apresentar a cerimónia dos Óscares de 2019 devido ao coro de críticas nas últimas horas sobre afirmações do norte-americano que têm mais de sete anos, consideradas ofensivas pela comunidade homossexual.
Comentários