Fesap: ”É um orçamento de continuidade e sem grande novidade”

”O Orçamento de Estado dá continuidade ao período mais longo da democracia sem qualquer aumento salarial. Não podemos estar contentes. É uma desilusão a ausência de propostas concretas.” revelou João Abraão, em declarações ao Jornal Económico.

Dinheiro Vivo

João Abraão, dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), referiu, esta terça-feira, ao Jornal Económico, estar desiludido com a ausência de uma proposta em concreto para o aumento dos salários dos trabalhadores da Função Pública.

”Trata-se de um orçamento de continuidade e sem grande novidade. Dá continuidade ao período mais longo da democracia sem qualquer aumento salarial. Queríamos propostas concretas e não existem. Não sei se o Governo está empenhado para houver aumentos salariais a todos os trabalhadores. Essa é a grande questão. Há um congelamento nos salários. Esperemos que as negociações continuem”, revelou o dirigente ao semanário, pouco depois da apresentação do Orçamento do Estado para o próximo ano (OE2019).

”Não havendo alteração nos escalões de IRS receamos, sinceramente, que muitos dos trabalhadores que passam por mudanças de remuneração, possam ser confrontados com a necessidade de terem de pagar mais IRS. E isso é uma preocupação séria”, sublinhou João Abraão.

O líder da FESAP mostrou-se ainda preocupado com o conjunto de trabalhadores que não têm aumento salarial desde 2009: “Isto leva-nos a concluir que os salários da função publica vão continuar a degradar-se por falta de aumentos. É uma desilusão a ausência de propostas concretas. O aumento dos salários na administração publica? Não sei se haverá”, explicou.

Esta manhã, na conferência de imprensa de apresentação do OE2019, o ministro das Finanças português, Mário Centeno, confirmou que há uma verba de 50 milhões destinada a aumentos para os trabalhadores do Estado.

Relacionadas

Frente Comum: “Não é com 50 milhões que se faz aumento de salários”

”Eu estou a ler o Orçamento de Estado. Estou aqui às voltas e não consigo descobrir o dinheiro dos salários, ele deve estar em algum sítio” , revelou Ana Avoila, em declarações ao Jornal Económico.

Governo prevê 50 milhões de euros para aumentos na Função Pública

Neste orçamento, o Executivo prevê um total de 800 milhões de euros para remunerações na Administração Pública. Os números foram avançados esta terça-feira pelo ministro das Finanças, que considera “um esforço enorme no orçamento sobre as remunerações dos funcionários públicos”.

Mário Centeno: OE2019 “define um marco histórico para Portugal”

O ministro das Finanças apresenta esta terça-feira ao país, em conferência de imprensa, o Orçamento do Estado para 2019.
Recomendadas

Petróleo rendeu ao Estado angolano quase 10 mil milhões de euros em 2018

Angola exportou em todo o ano de 2018 um total de 536.836.904 barris de crude, a uma média de 70,34 dólares por cada barril, contra uma previsão, inscrita no OGE, de 620 milhões de barris e uma estimativa de 50 dólares cada.

Marcelo convida Lagarde para próxima reunião do Conselho de Estado

A convite do Presidente da República, diretora do FMI vem a Portugal discutir as repercussões mundiais do ‘Brexit’.

Parlamento Europeu aprova fundo de 700 mil milhões de euros para investimentos na UE até 2027

Previsto está agora que o InvestEU “mobilize mais de 698 mil milhões de euros de investimentos públicos e privados na UE entre 2021 e 2027, acima dos 650 mil milhões indicados na proposta da Comissão Europeia”, acrescenta o Parlamento Europeu.
Comentários