Fitch: “Estamos muito mais confiantes sobre a descida da dívida pública em Portugal”

A descida o défice público de 7% do PIB em 2014 para menos de 1% no ano passado ajudou a tornar Portugal “numa história maravilhosa do ponto de vista de notação”, explicou Douglas Winslow, diretor de ‘ratings’ soberanos da agência. O peso da dívida permanece a maior fraqueza, mas está a atenuar, sublinhou.

Reinhard Krause/Reuters

O peso da dívida pública continua a ser o ‘calcanhar de Aquiles’ da notação de Portugal, afirmou esta quinta-feira o diretor de notações soberanas da Fitch, sublinhando, no entanto, que a agência está agora muito mais confiante sobre a tendência de descida do endividamento.

Douglas Winslow recordou, numa conferência organizada pela Fitch em Lisboa, que a agência em dezembro de 2017 fez um upgrade da notação soberana portuguesa em dois níveis, para BBB com perspetiva estável. A decisão na altura mostrou que a Fitch já estava mais positiva que as restantes principais agências de rating, afirmou.

“Claro que isto [o peso da dívida] continua a ser uma fraqueza em termos de notação, mas claramente estamos agora muito mais confiantes que a dívida pública de Portugal está numa tendência descendente”, sublinhou.

Winslow referiu que Portugal tem um excedente na conta corrente e que o equilíbrio orçamental está muito mais saudável, mas reiterou que “os stocks exepcionalmente elevados de dívida pública continuam a representar a fraqueza principal em termos de notação”.

Em relação ao défice público, o diretor da Fitch salientou que desceu de 7% do Produto Interno Bruto em 2014 para menos de 1% no ano passado, o que ajudou a tornar Portugal “numa história maravilhosa do ponto de vista de notação”.

Winslow explicou que parte do mérito reside nas políticas de consolidação orçamental e outra parte no crescimento cíclico da economia.

 

Ler mais

Relacionadas

Fitch mantém notação de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

A agência de notação sublinhou que os desenvolvimentos económicos e orçamentais desde a última avaliação continuam a sustentar uma tendência “firme” na descida da dívida pública, mas alertou que as dinâmicas do endividamento poderão ser afetadas negativamente por algumas medidas não-recorrentes.

Fitch antecipa maiores desafios para países europeus manterem estabilidade das finanças públicas

Agência de notação financeira considera que perspectiva de abrandamento do crescimento do PIB e taxas de juros mais altas se irão refletir em maiores esforços dos países com elevada dívida pública.
Recomendadas

Wall Street fecha misto, alavancado pelas tecnológicas

Os principais índices bolsistas dos Estados Unidos encerraram no vermelho – com a exceção do tecnológico Nasdaq, que fechou a ganhar mas apenas ligeiramente. O dia ficou marcado pela divulgação dos resultados de várias empresas

BCP, Altri e Galp recuam e põem PSI-20 em rota descendente em linha com a Europa

A banca puxou o IBEX para as maiores perdas da Europa à custa dos resultados do Santander. O BCP não escapou e fechou em queda significativa no dia em que os lucros da unidade polaca caem 75%. A Galp e a Altri lideraram as perdas num índice com 13 ações em queda.

Wall Street abre mista com Nasdaq em alta

Destaque para as reações positivas às contas da Harley-Davidson, Nxp Semiconductors, AMD, Merck & Co e JetBlue. A Xilinx também segue animada. No plano macroeconómico foi revelado que as encomendas de Bens Duradouros nos EUA apresentaram um bom registo em setembro.
Comentários