FlixBus avança com autocarro elétrico para viagens longas

A ‘startup’ FlixBus quer oferecer viagens de autocarro e comboios 100% livres de emissões de CO2 até 2030. Nesse sentido está a apostar, não só autocarros elétricos, mas também nos comboios verdes, no hidrogénio e no biogás.

A FlixBus, ‘startup’ de mobilidade no segmento do transporte coletivo de passageiros no modo rodoviário, numa parceria com a MCI, está a desenvolver o projeto do primeiro autocarro 100% elétrico para viagens de longa distância.

“O ‘D45’ e ‘LE CHARGE’, o primeiro autocarro totalmente elétrico desenhado para viagens de longa distância, foi testado pela FlixBus numa viagem de ida e volta desde São Francisco a Sacramento no final de outubro. Este teste foi o primeiro do género nos Estados Unidos; a FlixBus também lançou os primeiros autocarros elétricos a nível mundial em ligações de longa distância em 2018 em França e na Alemanha” destaca um comunicado da empresa.

“Testar os primeiros autocarros totalmente elétricos na América não só é um marco gigante para a FlixBus, mas para a indústria de viagens como um todo,” disse Michael Kahn, ‘Head of Business Development’ na FlixBus USA.

Segundo este responsável, “na FlixBus, comprometemo-nos a fornecer viagens 100% livres de emissões de CO2 até 2030, e estamos gratos por fabricantes como a MCI estarem a investir num futuro com transportes sustentáveis no Estados Unidos”.

A referida nota informatva da transportadora adianta que, “depois de um teste de sucesso, a FlixBus irá trabalhar com parceiros de negócios e com a MCI para encomendar os autocarros para 2020 para corredores principais como Los Angeles e San Diego, São Francisco a Sacramento, Portland a Seattle e Nova Iorque a Filadélfia”.

“A MCI afirma ter desenvolvido os ‘MCI D45 CRT’ e ‘LE CHARGE’ num período em que ambos, transportes públicos e operadores de transporte privado, procuram opções com zero emissões”, revela o referido comunicado.

“A FlixBus está a mudar a forma como as pessoas acedem ao transporte ao aplicar o seu inovador modelo para facilitar deslocações de autocarro,” disse Brent Maitland, vice-presidente da MCI de marketing e planeamento de produto.

De acordo com este responsável, “a aplicação de longa distância da marca icónica apresenta o formato ideal para demonstrar a nossa plataforma elétrica, devido ao nosso papel como fornecedores de soluções de mobilidade que mitigam o congestionamento e melhoram o ambiente”.

Os responsáveis da FlixBus defendem que ser consciente a nível ambiental não deve ser algo reservado às elites.

“Nem todas as pessoas podem adquirir um carro elétrico de 40 mil dólares, mas em breve todos poderão comprar um bilhete em média de dez, quinze dólares num autocarro elétrico da FlixBus,” disse Kahn, acrescentando: “Queremos tornar as viagens sustentáveis acessíveis a toda a gente”.

Os responsáveis da FlixBus entendem que viajar de autocarro já é a forma mais sustentável em percursos de longa-distância no Estados Unidos, assim como em tantos outros países.

“No entanto, num período de urgência ao nível de necessidades climáticas, a FlixMobility comprometeu-se a ser 100% neutra em carbono até 2030, seja via energia elétrica, hidrogénio, biogás ou outra alternativa de energia limpa” assinalam os responsáveis da FloixBus.

No segmento dos autocarros elétricos (E-Buses), os Estados Unidos são o terceiro país no mundo onde a FlixBus foi a primeira a lançar autocarros de longa-distância elétricos.

Comboios verdes, hidrogénio, biogás

“Em 2018, a FlixBus tornou-se na primeira empresa no mundo a testar autocarros elétricos em viagens de longa-distância. Em abril de 2018, o primeiro autocarro totalmente elétrico da Flix iniciou testes à operação com a estreia da rota entre Paris e Amiens, em França, que ainda hoje opera. Em outubro desse ano, os mesmos autocarros foram lançados na Alemanha, para viagens entre Frankfurt e Mannheim. Na Alemanha, os autocarros funcionam com eletricidade fornecida pela Greenpeace Energy”, esclarece o referido comunicado.

Mas a Flix está também a apostar em comboios verdes, tendo a FlixMobility lançado os primeiros, na Alemanha, em março de 2018.

“Em 2020, a FlixTrain irá começar a operar rotas na Suécia e considera ainda lançar operação noutros países no seguimento da liberalização do mercado ferroviário na Europa no próximo ano” promete a mesma nota informativa.

A vertente dos veículos a hidrogénio, com uma frota de autocarros movidos com este tipo de energia, será a próxima aposta da empresa.

“Enquanto os autocarros elétricos são desenvolvidos atualmente para distâncias curtas antes de precisarem de ser recarregados, os veículos a hidrogénio têm autonomia para pelo menos 500 quilómetros. Este projeto será feito em parceria com a Freudenberg Sealing Technologies da Alemanha, e vários fabricantes de autocarros estão a considerar o mesmo. Numa primeira fase, uma parte representativa da frota FlixBus será equipada com esta tecnologia para desenvolver testes piloto”, assegura o comunicado em causa.

Por fim, no período intermédio entre operar autocarros a gasóleo e autocarros elétricos/hidrogénio, “a FlixBus irá focar-se em autocarros movidos a biogás”.

“A empresa está atualmente em conversações com fabricantes e irá anunciar os modelos no início do próximo ano. Alemanha, Itália e a região do Benelux estão a ser consideradas para os primeiros testes pilotos considerando a disponibilidade de combustível”, revela o comunicado em apreço.

“Na FlixMobility, o nosso compromisso com sustentabilidade não é apenas uma moda, é a nossa missão como empresa e a nossa obrigação para com a sociedade,” disse André Schwämmlein, fundador e CEO da FlixMobility.

De acordo com este responsável, “estamos completamente dedicados não só a trabalhar com tecnologias que estão disponíveis para transporte de longa-distância, mas também a encorajar a indústria a avançar, procurar novas oportunidades e investir no futuro do planeta.”

A FlixMobility é uma operadora de mobilidade criada recentemente, “que oferece novas alternativas para viagens confortáveis, económicas e ecológicas através das marcas FlixBus e FlixTrain”.

“Graças a um modelo de negócios único e tecnologia inovadora, a ‘startup’ desenvolveu rapidamente a maior rede de transportes de autocarro de longa distância da Europa e lançou os primeiros comboios verdes de longa distância em 2018. Desde 2013, a FlixMobility mudou a forma de viajar de milhões de pessoas na Europa e criou milhares de novos empregos no setor de mobilidade”, reclama a empresa.

O comunicado da empresa realça que, “de todos os pontos da Europa, a equipa FlixMobility é responsável pelo desenvolvimento tecnológico, planeamento de rede, controle de operações, ‘marketing’ e vendas, gestão de qualidade e expansão contínua de produtos”.

“O serviço diário regular e a frota verde da FlixBus são operados por parceiros, empresas de autocarros, geralmente PME locais, enquanto a FlixTrain opera em cooperação com companhias ferroviárias privadas. Através destas colaborações, a inovação, o espírito empreendedor e uma forte marca internacional juntam-se à experiência e à qualidade do tradicional. A combinação única de ‘startup’ tecnológica, plataforma de ‘e-commerce’ e empresa de transporte clássico posicionou a FlixMobility como líder, à frente de grandes corporações internacionais, mudando o panorama da mobilidade europeia”, garante o referido comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Confederações patronais querem alargar a mais PME taxa reduzida de IRC

Atualmente beneficiam desta taxa reduzida de IRC as empresas com matéria coletável até 15 mil euros e as duas confederações vão propor que esse limite suba para os 50 mil euros já no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Vista Alegre conclui aumento de capital com procura de 147% da oferta

O aumento de capital foi realizado através de um processo de accelerated bookbuilding foi concluído, tendo a VAA garantido um encaixe de 15,24 milhões de euros. Esta operação surge dias depois da Vista Alegre ter concluído uma emissão obrigacionista, que lhe permitiu pagar empréstimos à banca.
Comentários