FMI enaltece acordo de restruturação da dívida da Argentina

A líder do FMI desejou ainda uma “conclusão bem sucedida” a um processo que envolve o país sul-americano e três grupos de credores privados – o Grupo Ad Hoc de Credores Argentinos, o Comité de Credores da Argentina e o Grupo de Credores.

Argentina

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, enalteceu hoje o acordo entre a Argentina e os principais credores para reestruturar a dívida de 66.238 milhões de dólares, que mantém o país em ‘default’ desde 22 de abril.

“Parabéns ao Presidente [da Argentina], Alberto Fernández, e ao ministro [da Economia], Martín Guzmán, e aos principais credores argentinos por chegarem a um acordo de princípio sobre a dívida do país. É um passo muito significativo”, afirmou Georgieva, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

A líder do FMI desejou ainda uma “conclusão bem sucedida” a um processo que envolve o país sul-americano e três grupos de credores privados – o Grupo Ad Hoc de Credores Argentinos, o Comité de Credores da Argentina e o Grupo de Credores.

Após meses de negociações, com propostas e contrapropostas, o Ministério da Economia da Argentina informou hoje, em comunicado, que as partes alcançaram um acordo que vai permitir um “alívio significativo da dívida” ao país.

O Governo argentino esclareceu ainda que o acordo vai permitir o ajuste de algumas datas de pagamento contempladas nos novos títulos, que vão substituir a dívida que se encontra em ‘default’.

Os títulos de dívida sujeitos a restruturação, emitidos em 2005 e 2010 e a partir de 2016, vão ser trocados por títulos em dólares e euros, com vencimentos em 2029, 2030 e 2038.

O Governo argentino fez a sua quarta oferta aos credores no dia 06 de julho, depois de três fracassos iniciais de acordo.

A Argentina afirmou que reconheceria 53,50 dólares de cada 100 dólares de dívida, mas os credores avançaram com uma contraproposta mínima de 56,50 dólares, antes de se chegar ao valor acordado de 54,80 dólares.

Com o acordo, o país sul-americano vai sair do seu nono ‘default’ na história e terá um balão de oxigénio para enfrentar o pós-pandemia, mas os desafios do país são ainda gigantes, segundo analistas.

“Mesmo com a questão da dívida resolvida, a Argentina fica malparada para contrair novos créditos e para receber novos investimentos. A tarefa será ainda titânica”, explicou à Lusa o analista económico Marcelo Elizondo.

Além da dívida externa, a Argentina procura também chegar a acordo com o FMI, para finalizar o pagamento do empréstimo de 44.000 milhões de dólares fornecido pela agência desde 208

Ler mais
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários