Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.

O Fórum para a Competitividade prevê que uma contração económica este ano que pode chegar aos 12%, antecipando uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de, pelo menos, 9%, antes de uma recuperação entre 5% e 6% em 2021, de acordo com o relatório de Perspetivas Empresariais divulgado esta quinta-feira.

“No terceiro trimestre, a recuperação terá sido modesta e no quarto trimestre, com a reposição de restrições à circulação e à atividade, há a possibilidade de um retrocesso. Para 2020, (excluindo as previsões extremas), as diferentes instituições estimam que o PIB poderá ter uma variação entre -9% e -11%, com uma recuperação em 2021, entre 5% e 6%”, explica o fórum.

A entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa considera que as exportações nacionais estão a recuperar lentamente. “Com a exceção notável da construção, os restantes sectores revelaram uma recuperação incerta, com grandes oscilações nas perspetivas. No extremo oposto está o turismo, com quedas drásticas nos proveitos, com os turistas residentes a compensar apenas parcialmente a diminuição do número de não residentes”, pode ler-se no documento.

O Fórum para a Competitividade destaca também o abrandamento na concessão do crédito ao consumo – o crédito a particulares abrandou para 0,7% em julho. “As pessoas não estão a comprar por terem menos rendimento, mas porque estão com medo do futuro”, alerta Pedro Ferraz da Costa, que defende ainda que seja uma estrutura independente a controlar a aplicação dos fundos de Bruxelas em Portugal.

As estimativas publicadas hoje contrastam com as do Ministério das Finanças, que antecipa para este ano um retrocesso de 8,5% do PIB, bem como com as do Fundo Monetário Internacional (10%), do Banco de Portugal (8,1%), do Conselho das Finanças Públicas (9,3%), da Comissão Europeia (9,8%) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (9,4%).

Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários