Franceses da B&B querem abrir mais hotéis em Portugal

O grupo hoteleiro controlado pelo banco norte-americano Goldman Sachs quer aumentar a sua operação em Portugal.

Os franceses da B&B Hotels querem abrir mais hoteis em Portugal nos próximos anos. A empresa detida pelo Goldman Sachs atualmente com três unidades em Portugal.

Até ao final deste ano,  B&B espera atingir na Península Ibérica os 50 hotéis (conta com 33 agora) e cinco mil quartos (conta com 3.300). Até 2025, o objetivo da empresa é atingir os 200 hotéis e os 20 mil quartos em Portugal e Espanha.

“A B&B apostou decididamente na consolidação do seu negócio em Portugal e Espanha. Pretendemos que este mercado seja essencial para aumentar a nossa rede global”, disse a presidente da empresa para as operações em Portugal e Espanha, Lucía Méndez-Bonito, em entrevista ao jornal espanhol Expansíon.

A empresa conta com três unidades em Portugal, num total de 296 quartos e 12 apartamentos: B&B Hotel Cantanhede Coimbra, B&B Hotel Braga Lamaçães, e B&B Hotel e Apartamentos Felgueiras.

A empresa prevê atingir os 600 hotéis e 55 mil quartos até ao final deste ano, estando presente em mercados como a França, Alemanha, Itália, Bélgica ou Brasil.

A empresa registou vendas globais de 580 milhões de euros em 2018, mais 18% face a período homólogo. As vendas na Península Ibérica subiram 45% para 42 milhões em 2018, os últimos resultados conhecidos.

O banco norte-americano Goldman Sachs entrou no capital da empresa em 2019, depois de ter comprado a empresa de capital de risco PAI Partners.

“A mudança de dono, com a qual estamos muitos alinhados, vai nos permitir crescer e vai nos dar músculo financeiro”, segundo a gestora.

Ler mais
Recomendadas

Produção industrial em Itália cai 2,4% em fevereiro

Em termos homólogos, a produção industrial subiu em bens de capital (1,4%) e baixou a de bens de consumo (3%), a de bens intermédios (2,3%) e a de energia (0,6%).

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Executivo ultima propostas para apoiar os media, mas falta consenso no setor

Media vão receber apoios estatais para enfrentar crise gerada pela pandemia da Covid-19. Governo anuncia apoios “em breve”.
Comentários