Funchal: PSD/CDS-PP propõe requalificação do Miradouro de São Roque para resolver problemas de estacionamento

A candidatura do PSD/CDS-PP diz ter um projeto que contempla 65 estacionamentos, criação de espaços comerciais, uma loja do cidadão e uma farmácia.

A candidatura do PSD/CDS-PP à Câmara Municipal do Funchal quer requalificar o Miradouro de São Roque. Apesar de este ser um projeto ainda em desenvolvimento, refere a candidatura, o objetivo passa por resolver a falta de estacionamento no centro da freguesia.

A proposta da candidatura do PSD/CDS-PP, que é liderada por Pedro Calado, inclui 65 estacionamentos, criação de espaços comerciais, uma loja do cidadão e uma farmácia, com o intuito de dinamizar o centro da freguesia.

Pedro Calado considera que este investimento vai dignificar a freguesia, “potenciando-a num contexto em que importa dotar o Funchal de uma maior diversidade atrativa”, acrescentando que com o PSD/CDS-PP “a excelência das novas centralidades será uma realidade”.

Este projeto faz também parte das propostas do candidato do PSD/CDS-PP à Junta de Freguesia de São Roque, Pedro Gomes, que pede uma mudança na Câmara do Funchal de modo a que a obra “seja realizada”, tendo em conta que o atual executivo municipal “nada faz para ajudar a freguesia”.

Pedro Gomes reforça que este é um investimento importante para São Roque, que vai permitir criar postos de trabalho, atrair visitantes e ajudar à economia familiar, para além de criar novos estacionamentos e espaços comerciais.

Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários