Funcionários públicos a partir dos 55 anos já podem pedir pré-reforma

Medida aplica-se à modalidade de suspensão de trabalho na pré-reforma na Função Pública. Valor do salário continua a ser acordado entre o empregador público e o trabalhador.

Cristina Bernardo

Os trabalhadores do Estado com 55 ou mais anos que optem pela pré-reforma na modalidade de suspensão de trabalho vão continuar a receber, a partir desta quarta-feira, pelo menos 25% do salário base.

De acordo com a regulação, publicada na terça-feira em Diário da República, o valor do salário será acordado entre o empregador público e o trabalhador, conforme estipulado na lei sobre a modalidade de pré-reforma.

No entanto, o Governo estipula agora que este valor não poderá ser superior ao salário do funcionário à data do acordo, nem inferior a 25 % da referida remuneração.

“A prestação de pré-reforma é atualizada anualmente em percentagem igual à do aumento de remuneração de que o trabalreformahador beneficiaria se estivesse no pleno exercício das suas funções”, estipula ainda o Governo.

Há dois tipos de pré-forma: a que reduz o horário de trabalho (já regulado na lei) e a que consiste na total suspensão de prestação de trabalho (que agora o Governo vem regulamentar).

Relacionadas

Pré-reformas no Estado com alterações a partir de hoje. Saiba o que muda

Medida aplica-se à modalidade de suspensão de trabalho na pré-reforma na Função Pública. Valor do salário continua a ser acordado entre o empregador público e o trabalhador.

É funcionário público? Já pode calcular qual será a sua reforma

O cálculo do simulador baseia-se no regime de aposentação não antecipada (66 anos e cinco meses) e antecipada (normal – 30 anos de serviço aos 55 anos de idade – ou por carreira muito longa – 60 anos de idade e 46 anos de serviço.
Recomendadas

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.
Comentários