Futuro de Cabo Verde exige “super governo e super banco central”, diz economista

“As políticas a serem adotadas serão decisivas a nível do futuro que teremos tanto na economia mundial como na economia nacional. Desde já, eu penso que é fundamental termos um plano de estabilização económica e social, que deverá cobrir quatro dimensões”, disse José Luís Neves, secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.

O economista e secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento (CCS), em Cabo Verde, afirma que os próximos tempos vão exigir um super governo e um super banco central. José Luís Neves falava durante uma conferência sobre “Que futuro para a economia de Cabo Verde pós-covid-19”, promovida pela Associação dos Jovens Economistas (AJECON) na plataforma Zoom.

O economista disse que depois do período de bloqueio de confinamento, o momento agora é de reabrir a economia sem perder o controlo da pandemia, salientando que é fundamental o país ter um plano de estabilização económica e social, que deverá cobrir quatro dimensões.

“Como o FMI disse, as políticas a serem adotadas serão decisivas a nível do futuro que teremos tanto na economia mundial como na economia nacional. Desde já, eu penso que é fundamental termos um plano de estabilização económica e social, que deverá cobrir quatro dimensões”, anotou, em declarações proferidas esta quinta-feira.

De entre essas dimensões destacou a dimensão política e institucional, ou seja, o papel fundamental do governo e das autarquias locais, mas também a dimensão empresarial e todas políticas para evitar a falência das empresas, bem como a dimensão do emprego e rendimento. Igualmente importante é a dimensão sanitária e social. A este nível, afirma o economista, haverá a necessidade de fortes investimentos.

“Haverá sempre a necessidade de estarmos atentos aos novos surtos, mas a dimensão social será fortíssima porque prevemos que com as dificuldades as despesas sociais deverão aumentar. Portanto, nós pensamos que os próximos tempos vão exigir um super governo e super banco central”, disse.

“Há que agir através dos programas de investimentos públicos, através das compras públicas do Estado, das políticas sectoriais e das despesas sociais, da diminuição dos impostos e também do reforço das medidas de mitigação dos impactos da covid-19”, acrescentou o economista.

Em relação ao banco central disse que este poderá atuar através da política monetária com a redução das taxas de juro, o reforço da liquidez dos bancos comerciais, o reforço das medidas de mitigação, como por exemplo o prolongamento das moratórias.

Por outro lado, José Luís Neves defendeu a necessidade de se apostar numa “forte mobilização” de parcerias de desenvolvimento para a obtenção da ajuda orçamental direta, acesso ao crédito concessional e a reestruturação e perdão das dívidas e os donativos.

“Nós vimos como é que a burocracia e a falta de integração dos serviços públicos criaram muitas dificuldades durante o tempo de bloqueio. Fundamentalmente é acelerar a adoção das novas tecnologias e passarmos do e-gov para i-gov, ou seja, passarmos não só para governação eletrónica como para governação integrada”, salientou também neste encontro online, promovido pela AJECON, em parceria com a Escola de Negócios e Governação da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) e no qual participou também como orador o economista Paulino Dias.

Ler mais
Recomendadas

Lucros do BAI Cabo Verde subiram 24% para 1,1 milhões de euros em 2019

Apesar deste resultado, a instituição não vai distribuir dividendos aos acionistas, desde logo cumprindo uma determinação do banco central cabo-verdiano, para constituição de reservas devido à crise economia e financeira provocada pela pandemia.

Cabo Verde com défice orçamental de 0,7% até abril

A proposta de Orçamento Retificativo do país para 2020, que deverá ser submetido a apreciação e votação no parlamento na segunda semana de julho, ascende a 75.084.978.510 escudos (679,1 milhões de euros), entre despesas e receitas.

Cabo Verde já mobilizou cerca de 144 milhões de euros junto da parceiros internacionais

“Embaixadores, representantes das organizações internacionais, Banco Mundial, FMI, União Europeia, Estados bilaterais, todos demonstraram uma grande boa vontade em continuar a apoiar e acompanhar Cabo Verde neste momento”, diz o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros.
Comentários