Global trends: O que o consumidor procura em 2019

O comportamento dos consumidores mudou e quer adaptar-se aos tempos modernos. Das escolhas mais conscientes à fuga do online, estas são as principais tendências para 2019.

Menos plástico

A guerra ao plástico não é de agora mas 2019 quer consolidá-la. No início do segundo semestre do ano passado, várias foram as empresas que anunciaram medidas com vista à redução do plástico, assumindo, desta forma, um forte compromisso social e ecológico. O Lidl foi um dos pioneiros do movimento #plasticfree em Portugal, depois de anunciar, em Julho passado, que iria retirar todos os produtos de utilização única do mercado, como pratos e copos descartáveis. O plano da cadeia alemã entrou em vigor nesse mesmo mês, e para todas as lojas nacionais, e veio acompanhado doutra promessa: reduzir o consumo de plástico da empresa em 20% até 2025. Poucos dias depois, chegou o anúncio da Starbucks e a promessa de que, até 2020, vão substituir as palhinhas de plástico por soluções mais ecológicas e sustentáveis. A famosa cadeia norte-americana, que já conta com 16 lojas em Portugal e mais 28 mil a nível mundial, explicou que este se trata de um plano faseado mas que a medida já começou a ser implementada nos Estados Unidos e no Canadá. Aliás, as cerca de 559 lojas da marca no estado de Washington já só oferecem palhinhas biodegradáveis aos seus clientes.

Mas, mais do que um movimento empresarial, a redução do plástico é um dever moral. Ao longo do último ano, foram emergindo imagens nas redes sociais que se tornaram virais que funcionaram como um verdadeiro reality-check para muitos.

Uma das mais conhecidas mostra a modelo Aishwarya Sharma numa praia em Mumbai, na Índia. Podia ser uma imagem paradisíaca. Podia, se não fosse a quantidade de lixo que cobre a superfície do oceano e que deu à costa graças à subida do nível do mar.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Aishwarya Sharma (@aishwaryasharmaa_) a

A imagem chocou milhares e reforçou o movimento #plasticfree, que já conta com cerca de 857 mil entradas no Instagram. Segundo um estudo realizado pelo portal Euromonitor, em 2019, o consumidor procurará, cada vez mais, opções alternativas ao material mais odiado do momento.

FOMO x YOMO: O prazer de estar offline

Depois do termo FOMO (Fear Of Missing Out), surgido em 2013, ter ganhado destaque nos últimos anos, agora há outra moda. Chama-se JOMO (Joy Of Missing Out) e significa exactamente o contrário do seu antecessor. Se há uns anos, o medo de perder alguma (FOMO) causava ansiedade em quem se desligava do mundo digital, agora a tendência reverteu-se e passa-se o contrário. Na verdade, assiste-se a uma mudança no comportamento dos utilizadores digitais. Hoje, são mais conscientes dos seus limites e preocupados com a sua saúde mental e, por isso, procuram, cada vez mais, momentos offline.

O movimento off-grid tem sido adoptado também por empresas, que procuram estratégias a favor das relações humanas, desprezando programas que impliquem a utilização de smartphones. Exemplo disso aconteceu no final do ano passado em Inglaterra. A cadeia de restaurantes Frankie & Benny’s testou uma iniciativa pioneira e arrancou largos elogios do público. Durante duas semanas, o espaço convidou os clientes a deixaram os telemóveis à entrada, numa caixa pensada para o efeito. Outro caso são os cafés e bares que recusam colocar rede wifi nos seus espaços. Nessa situação, os habituais cartazes a anunciar que possuem a tão desejada rede sem fios estão a ser substituídos por caricatos avisos: “Não, não temos wifi. Falem uns com os outros. Finjam que estamos em 1995“.

 

Em 2019, a palavra de ordem é YOMO e prevê-se que a procura por atividades fora dos ecrã aumente durante os próximos meses.

#Zerowaste

O consumo sustentável e o ataque ao desperdício continuam na mira dos consumidores em 2019. O aumento do comércio a granel nos últimos anos já previa este desfecho. Na verdade, a comunidade procura, cada vez mais, opções fora do radar mainstream e que gerem menos desperdício na cadeia da indústria. Este comportamento tem puxado os consumidores para as lojas locais, de forma a evitarem as grandes superfícies, onde existe maior percentagem de desperdício alimentar. Mas mesmo nos grandes supermercados, o comportamento de quem os visita mudou: privilegiam alimentos que não venham embalados, evitam os sacos de plástico e optam por colocar as etiquetas directamente nos alimentos. E, claro, o setor já reagiu e tem vindo a oferecer serviços mais ecológicos e sustentáveis aos clientes. O Pingo Doce, por exemplo, criou uma estação self-service onde os consumidores podem encher a sua garrafa de água por €0,18 cêntimos.  Uns meses mais tarde, o Continente anunciou a substituição dos seus sacos de plásticos por uns 80% mais sustentáveis e totalmente recicláveis.

Ainda na área do comércio, o boom das marcas 100% sustentáveis, como a Planetiers ou a Mind The Trash, que disponibilizam produtos exclusivamente ecológicos, não parece querer abrandar e ainda bem. Das escovas de dentes biodegradáveis aos discos de algodão orgânico reutilizáveis  passando pelas esponjas de cozinha 100% naturais e acabado nos chuveiros inteligentes que evitam o desperdício de água, a oferta de produtos destas ‘novas’ lojas é imensa.

Mas o movimento #zerowaste abraça ainda outras áreas. Na verdade, a celebre frase de Lavoisier nunca foi tão atual – “Nada se perde, tudo se transforma“. Os portugueses procuram, cada vez mais, métodos para reutilizar objetos usados, dando-lhes outra vida. Nas ruas, assiste-se ao aparecimento-relâmpago de lojas em segunda mão e as marcas começam a apostar no lançamento de coleções assentes na reutilização de materiais. A H&M é um bom exemplo disso. Já há alguns anos que a gigante sueca cria, a par da coleção habitual, a linha Conscious onde só têm lugar peças feitas com o desperdício dos fios de algodão, que sobram da indústria do retalho, ou de materiais reciclados.

From farm-to-table 

O comportamento dos consumidores à mesa mudou e a alimentação é uma das grandes tendências-chave de 2019. A guerra ao açúcar, a preocupação pela qualidade dos produtos que consomem e o privilégio por ‘real-food‘ tem estado na ordem do dia. Nesta nova Era alimentar, onde surgem cada vez mais doutrinas de inspiração, como o veganismo ou a dieta paleo, há um ponto-comum: desprezam-se os alimentos altamente processados, pouco interessantes nutricionalmente e carregados de ‘calorias brancas’ em beneficio de alimentos reais, frescos e que não exigem embalagem. A máxima farm-to-table espelha, na perfeição, a demanda do novo consumidor. Prefere alimentos sazonais, ignorando os fora de época, e, na impossibilidade de os cultivar, compra-os a produtores locais. O setor alimentar já reagiu e há cada vez mais marcas a apostar em versões saudáveis e menos industrializadas dos seus produtos. As opções sem açucar adicionado e sem aditivos têm inundado as prateleiras das grandes superfícies e a oferta de alimentos biológicos aumentou. Com o passar do tempo, surgem também restaurantes assentes nesta máxima, como é o caso do recente Season ou do conceituado Prado, ambos em Lisboa. Por isso, caso esteja a pensar reformular a sua forma de comer, 2019 é o ano ideal.

O ano do self-taught

Com a informação à (simples) distância de um click, as novas gerações revelam-se cada vez mais autodidatas e self-sufficient. Assiste-se à diminuição da procura por profissionais intermédios – como consultores de imagem, personal trainners ou nutricionistas – pelo facto dos consumidores acreditarem que conseguem alcançar os resultados que procuram sozinhos. Mas esta é uma tendência perigosa e preocupante. Na verdade, o acesso à informação imediata, como os milhares de mapas de treino, dietas-tipo ou esquemas de estilo que são partilhados nas redes sociais diariamente, não dispensam a opinião de um profissional especializado na área e acabam por induzir em erro quem os adopta de forma autónoma. Para travar esta tendência, nascem modelos alternativos às consultas/aconselhamentos tradicionais, para responder à procura dos consumidores por informação fidedigna no meio digital. Exemplo disso é o novo método da nutricionista Mariana Abecassis que, através da modalidade online, se compromete a acompanhar o cliente semanalmente via skype, prestando-lhe um serviço especializado e criterioso. Mas este não é um caso singular. Há cada vez mais empresas a migrar os seus serviços para o online, oferecendo opções acessíveis a quem os procura atrás de um ecrã.

 

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.

Livrarias independentes lançam manifesto para alertar para a falta de apoios

O manifesto da Rede de Livrarias Independentes alerta para a insuficiência de apoios do Estado para ajudar as livrarias independentes, em dificuldades face aos constrangimentos causados pela pandemia de covid-19, que obrigou ao encerramento das lojas durante mais de dois meses.

Festival NOS Primavera Sound reembolsa valor dos bilhetes em 2021

A devolução do dinheiro não é sistema único e serve para quem não quiser ou não tiver disponibilidade para estar no festival.
Comentários