PremiumGonçalo Velho: “A este ritmo, o ensino superior vai perder 17 anos”

As dotações orçamentais são ligeiramente superiores às de 2019, mas insuficientes para recuperar um setor com subfinanciamento crónico. “A manter-se este ritmo de financiamento, somente em 2027 conseguiremos atingir os números de 2010”, diz o presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior.

Gonçalo Velho, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESUP), tem uma leitura simultaneamente crítica e preocupada da proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano. “A manter-se este ritmo de financiamento, somente em 2027 conseguiremos atingir os números de 2010. Terão sido 17 anos perdidos”, alerta ao Jornal Económico. O SNESUP está a preparar um conjunto de propostas a apresentar ao Governo no âmbito do OE2020.

Em 2020, as dotações para o ensino superior sobem 5%, mas uma parte importante destina-se a compensar universidades e politécnicos pela perda de receita decorrente da baixa das propinas, que em setembro passaram de 1.068 euros anuais para 856 euros. No total, as instituições irão dispor de 1.160 milhões de euros em 2020, mais 55 milhões de euros do que em 2019, dos quais 31 milhões são para compensar as propinas. Contas feitas, a dotação orçamental restringe-se apenas a mais 24 milhões.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPedro Santa Clara abre escola digital de vanguarda

Na escola 42, não há professores, nem avaliação, mas as aulas são presenciais. Os alunos não pagam. O primeiro curso arranca em fevereiro de 2021 e as candidaturas já estão abertas. O Jornal Económico foi conhecê-la.

Ensino Superior destina 7% das vagas para emigrantes e familiares

O concurso nacional de acesso ao ensino superior, cuja primeira fase arranca a 7 de agosto, tem 3.599 vagas para emigrantes, disponibilizadas por 107 instituições em cerca de 5.000 cursos.

CDS-PP pede explicações ao Governo sobre abandono escolar: “Vai seguir as recomendações do Tribunal de Contas?”

O Tribunal de Contas diz que não é possível conhecer os reais números do abandono escolar em Portugal, devido a fragilidades no sistema de recolha de dados e de monitorização, lacunas que aconselha a resolver. A deputada Ana Rita Bessa quer ministro Brandão Rodrigues no Parlamento.
Comentários