Governo aprova requisição civil para greve dos motoristas de matérias perigosas

O Executivo argumenta que a paralisação “afeta o abastecimento de combustíveis aos aeroportos, bombeiros e portos, bem como o abastecimento de combustíveis às empresas de transportes públicos e aos postos de abastecimento da grande Lisboa e do grande Porto”.

Carlos Barroso / Lusa

O Governo aprovou esta terça-feira, por via eletrónica, uma resolução do Conselho de Ministros que reconhece a necessidade de proceder à requisição civil dos motoristas de matérias perigosas em situação de greve. O Executivo argumenta que a paralisação “afeta o abastecimento de combustíveis aos aeroportos, bombeiros e portos, bem como o abastecimento de combustíveis às empresas de transportes públicos e aos postos de abastecimento da grande Lisboa e do grande Porto”.

Convocado pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), este protesto – no qual os serviços mínimos impostos pelo despacho n.º 30/2019, de 10 de abril, foram impugnados –começou à meia noite de segunda-feira e, segundo o dirigente deste sindicato, vai “prolongar-se por tempo indeterminado até que as entidades competentes decidam sentar-se à mesa para chegar a um consenso”.

Numa nota publicada esta manhã, a Presidência do Conselho de Ministrosa argumenta que recorreu à imposição da requisição civil “de modo a assegurar a satisfação de necessidades sociais impreteríveis na distribuição de combustíveis”.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) também negou os fundamentos desta greve e exigido o cumprimento da lei. “Face à greve convocada pelo SNMMP, a ANTRAM não pode deixar de denunciar o atropelo da legalidade que está a ser cometido por este sindicato, quer pelo facto de não ter promovido a organização dos serviços mínimos, quer pelo facto de não incentivar os trabalhadores em greve ao cumprimento desses serviços”, referiu.

Apesar de reconhecer que a greve é “um direito constitucionalmente previsto”, a associação sublinhou ontem, em comunicado, que o “cumprimento das regras da sua execução” decorre igualmente da mesma constituição, e exigiu que o Governo “assuma as suas responsabilidades, que acione todos os meios de que dispõe para impor a legalidade e a normalidade democrática, fazendo cumprir, desde já, os serviços mínimos determinados”.

Notícia atualizada às 08h07

Ler mais
Relacionadas

Greve dos motoristas de matérias perigosas “ultrapassa limites da legalidade”, diz ANTRAM

“Face à greve convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), a ANTRAM não pode deixar de denunciar o atropelo da legalidade que está a ser cometido por este sindicato”, diz a ANTRAM.

Motoristas de combustíveis arrancam hoje com greve. Abastecimento nos postos em risco?

Os motoristas de matérias perigosas entraram hoje em greve por tempo indeterminado. Apesar de serem obrigados a cumprir serviços mínimos, o sindicato impugnou esta obrigação. A greve tem uma adesão de 100%, segundo o sindicato.
Recomendadas

Boris Johnson diz que Brexit sem acordo é “a última opção”

Com o início da campanha para assumir o lugar que os sapatos irreverentes que May deixam, Boris Johnson assumiu que não descarta um acordo com os parceiros europeus mas que o objetivo “não é chegar a um final mas sim a um acordo”.

Caixa: Homem que “enfeitiçou” Berardo “só podia ser José Sócrates”, diz ex-gestor do BCP

Quando José Berardo se preparava, em 2007, para reforçar da sua posição no BCP para 7% com um empréstimo da CGD para investir cerca de 400 milhões em ações, o empresário terá dito ao antigo administrador do banco privado, Filipe Pinhal: “Ainda estou para saber como é que aquele homem me enfeitiçou e deu-me a volta”.

CPI à CGD: “Seria altamente improvável que ajudasse Berardo a ter mais votos para me destituir”, diz Filipe Pinhal

Ex-administrador do BCP está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa depois de José Berardo ter dito aos deputados que foi Filipe Pinhal que lhe sugeriu fazer um crédito na CGD. Pinhal assegura que está fora de questão que um administrador que José Berardo quis afastar da administração do BCP o fosse ajudar a aumentar o seu ‘poder de voto’.
Comentários