Governo confirma confinamento mas detalhes só serão conhecidos depois de reunião do Conselho de Ministros

A ministra da Presidência sustentou que a indústria, a agricultura e a distribuição serão alguns dos setores que continuarão abertos durante o novo confinamento “de modo a garantir que nada do que são bens essenciais dos portugueses faltarão”.

Mariana Vieira da Silva

A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, confirmou que Portugal vai ter um novo confinamento, sendo este semelhante ao que aconteceu nos primeiros momentos de pandemia, mas que as medidas detalhadas só serão discutidas em Conselho de Ministros e posteriormente dadas a conhecer aos portugueses.

“O que faremos é um confinamento muito próximo daquele que existiu durante os meses de março e abril, garantindo que não fechemos nada que tenha sido fechado [na altura]”, disse Mariana Vieira da Silva este sábado, após serem conhecidos os novos números da pandemia em Portugal.

A ministra da Presidência sustentou que a indústria, a agricultura e a distribuição serão alguns dos setores que continuarão abertos durante o novo confinamento “de modo a garantir que nada do que são bens essenciais dos portugueses faltarão”.

No entanto, apesar da confirmação de confinamento, os detalhes só serão conhecido após a reunião com os especialistas de saúde e o Conselho de Ministros, onde as medidas serão discutidas.

Assim, Mariana Vieira da Silva disse que ” necessário percebermos que se tivéssemos tomado as medidas há uma semana teríamos tomado as medidas com base em informação incompleta´” e que por essa razão, “adiámos uma semana e é por isso que é fundamental ouvir, na terça-feira, os peritos” do Infarmed.

Desta forma, a governante sublinhou que “assim que a Assembleia da República aprovar o novo decreto de estado de emergência, o Conselho de Ministro reunirá imediatamente para tomar estas decisões”.

“Não é necessário ficarmos à espera de um novo decreto quando sabemos que, face a estes números, é nossa obrigação protegermo-nos, reduzirmos ao máximo os nossos contactos àquilo que é essencial e sabermos que no momento em que há mais pessoas infetadas, também cresce o risco de cada um de nós nos infetarmos”, terminou Mariana Vieira da Silva.

Relacionadas

Mais 9.478 casos de Covid-19 confirmados em Portugal e 111 mortes

Nas últimas 24 horas, foram registados mais 9.478 casos confirmados de Covid-19, tendo-se registado ainda mais 111 vítimas mortais, segundo o relatório de situação da Direção-Geral da Saúde, divulgado este caso.

Ventura revela que confinamento geral deverá ser imposto por volta de dia 15 de janeiro. Restauração deve encerrar

O presidente e deputado único do Chega falou à comunicação social após o encontro com António Costa e disse que o novo confinamento geral deverá entrar em vigor por “volta de 15 de janeiro”
Mariana Silva

PEV sobre confinamento geral: “quanto mais restritivas forem as medidas, mais eficazes são

A deputada do PEV, Mariana Silva, demonstrou este sábado abertura para a imposição de medidas mais restritivas para mitigar o risco de contágio ao abrigo de um novo confinamento geral, que deverá ser imposto na próxima semana.

Perspectiva-se “algo semelhante a março e abril”, diz líder do PAN sobre possível confinamento geral

O líder do PAN, André Silva, deu a entender este sábado, depois de ser ouvido pelo primeiro-ministro, o regresso de um confinamento geral em Portugal para mitigar o risco de contágio de Covid-19.

“Temos obrigação de reduzir os contágios”, afirma Marisa Matias sobre estado de emergência

Marisa Matias sublinhou que Portugal viver, neste momento, “uma situação trágica” devido ao número de casos da Covid-19 e pediu a condições para as pessoas enfrentarem as “limitações acrescidas e exigência”. Por sua vez, João Ferreira disse que o país tem “de adotar medidas nas várias frentes da vida nacional”.
Recomendadas

Pressão nos hospitais pode subir com aumento de infeções entre pessoas com mais de 80 anos

A preponderância da variante Delta no território português, que se verifica já em todas as regiões de saúde do país, poderá levar a um aumento da pressão nos serviços de saúde dado o ressurgimento das infeções entre a população acima dos 80 anos, que tem maior risco de doença grave.

Total de farmácias com testes rápidos comparticipados cresce para 406

O regime excecional prevê que cada pessoa possa realizar quatro testes rápidos por mês totalmente comparticipados desde que ainda não tenham certificado de vacinação completa ou um certificado que ateste que recuperaram da doença.

Portugal já garantiu mais 24 milhões de vacinas até 2023 caso sejam precisas mais do que duas doses

As preocupações com a eficácia dos fármacos até agora aprovados na UE contra as novas variantes mais contagiosas do coronavírus levaram à possibilidade de uma terceira dose da vacina, algo que o Infarmed alerta que carece ainda de dados.
Comentários