Governo e Serralves assinam protocolo para promover projetos de inovação social

“Este [protocolo] não só simboliza o reconhecimento pelo trabalho que a fundação tem vindo a fazer ao longo destes 30 anos, como estabelece novos desafios com vista ao fortalecimento e dinamização das iniciativas de inovação e empreendedorismo social em Portugal”, afirmou Ana Pinho, presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves, durante a sessão de assinatura do protocolo, que se realizou esta tarde, na Fundação de Serralves, no Porto.

O Ministério do Planeamento e a Fundação de Serralves assinaram hoje um protocolo que visa, através da criação de um observatório regional de inovação social e da constituição de uma comissão instaladora, promover projetos de inovação na região norte.

“Este [protocolo] não só simboliza o reconhecimento pelo trabalho que a fundação tem vindo a fazer ao longo destes 30 anos, como estabelece novos desafios com vista ao fortalecimento e dinamização das iniciativas de inovação e empreendedorismo social em Portugal”, afirmou Ana Pinho, presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves, durante a sessão de assinatura do protocolo, que se realizou esta tarde, na Fundação de Serralves, no Porto.

Durante a sessão, marcada pela presença da secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Maria do Céu Albuquerque, pelo provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto, António Tavares, e por vereadores das câmaras municipais do distrito do Porto, Ana Pinho adiantou que o protocolo visa a “identificação, criação e desenvolvimento de projetos de inovação” tendo em vista a “implementação de novas respostas sociais inovadoras”.

Assim, através da criação de um observatório regional de inovação social e da constituição de uma comissão instaladora sediada em Serralves, o protocolo pretende “integrar entidades públicas e privadas” que promovam o mapeamento e a avaliação do impacto da inovação da região norte do país.

Para Maria do Céu Albuquerque, o protocolo, além dos “mapeamentos e acompanhamentos”, é “muito importante” uma vez que vai proporcionar a recolha de “instrumentos de avaliação” do que está a ser feito na região norte, tendo em conta os “recursos públicos que são disponibilizados”.

“Porque é desta maneira que vamos poder chegar ao fim deste projeto e perceber que impacto é que teve na vida das pessoas, porque só assim é que nós vamos ser capazes de preparar outros programas, outros projetos e de desafiar estes e outros atores para que connosco possam continuar a construir políticas públicas que elevem a qualidade de vida dos nossos cidadãos”, frisou.

No encontro foram ainda apresentados três novos projetos de Serralves, financiados pela Portugal Inovação Social, que tem em vista a inclusão social e a educação para a cidadania: o Con(s)cienciArte, os Olhares Inclusivos e Janelas para o Mundo.

“É com grande expectativa que vemos o entusiasmo que a região norte se tem apresentado para a prossecução deste desígnio nacional”, disse a secretária de Estado, terminando com a proposta de um “desafio” lançado a Filipe Almeida, presidente da Estrutura de Missão Portugal Inovação Social.

“Há um desafio que é importante lançar, que é fazer dentro de pouco tempo um encontro nacional para podermos partilhas boas práticas, mas antes do final dos programas. Também aqui devíamos de ser inovadores, no ponto de vista de chamarmos aqueles e aquelas que estão no território a fazer a diferença”, acrescentou.

Ler mais
Recomendadas

Três linhas de apoio social na Cultura estão abertas

Esta semana serão ainda divulgadas as condições de acesso aos 8,5 milhões de euros de reforço orçamental do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), retirados do saldo de gerência, também para responder às necessidades dos trabalhadores desta área.

Livro: “Périplo pelos Bares do Mediterrâneo”

Se o expectável seria um rol de museus e locais históricos a visitar, neste livro, Ali Duaji, romancista tunisino de origem turca que também fez da poesia sua casa, preferiu perscrutar os povos mediterrânicos deambulando pelos seus bares.

Trabalhadores da Cultura têm cinco propostas para acabar com precariedade

O caderno de contributos e propostas inclui, por exemplo, o fim dos recibos verdes e a aplicação de contratos de trabalho onde figurem “o tempo de trabalho, a remuneração, os encargos sociais do empregador e os encargos sociais do empregado”.
Comentários