Gás de garrafa com preço máximo de 22,45 euros durante o mês de abril

O Governo decidiu atuar “face ao aumento da margem de comercialização praticada pelos operadores retalhistas”. As garrafas de gás butano (13kg) e as de gás propano (11 kg) vão ter um preço máximo de 22,24 euros. O Executivo garante que está disposto a voltar a mexer nos preços se houver alterações nos mercados internacionais.

Ministro do Ambiente e da Ação Climática| Foto de Cristina Bernardo

O Governo vai estabelecer preços máximos para o gás de garrafa durante o mês de abril. A decisão foi tomada pelo ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

“O despacho institui a fixação de preços máximos para o GPL engarrafado, em taras standard em aço, durante o período de vigência do estado de emergência. A necessidade desta atuação preventiva surge face ao aumento da margem de comercialização praticada pelos operadores retalhistas, em contraciclo com a evolução dos preços dos derivados nos mercados internacionais”, pode-se ler no comunicado.

Os preços máximos resultantes da aplicação deste despacho, a vigorar durante o mês de abril, são:

  • 22 euros para a garrafa de 13kg de GPL Butano (tipologia T3) -1,692 €/kg;
  • 22,24 euros para a garrafa de 11kg de GPL Propano (tipologia T3) – 2,022 €/kg;
  • 81,05 euros para a garrafa de 45kg de GPL Propano (tipologia T5) – 1,801 €/kg.

O Governo determina também “que, no caso de alterações relevantes das cotações internacionais, identificadas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), poderão ser estabelecidos novos preços regulados a aplicar aos dias remanescentes do mês em curso, através de novo despacho”.

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários