Governo pagou 48 milhões de euros de complemento a trabalhadores em lay-off

O complemento em causa tem um valor mínimo de 100 euros e um valor máximo de 351 euros.

A Segurança Social pagou esta quinta-feira 48 milhões de euros em complementos aos trabalhadores em lay-off, de acordo com a informação divulgada esta tarde pelo Governo. A prestação em causa, criada para compensar quem teve uma perda salarial por ter estado neste regime, tem um valor mínimo de 100 euros e um valor máximo de 351 euros.

O complemento de estabilização foi entregue aos trabalhadores que registaram uma perda salarial entre a remuneração declarada no mês de fevereiro e o mês completo em que estiveram em lay-off em que tiveram maior quebra e abrangeu os colaboradores com remuneração base acima de um salário mínimo nacional (635 euros) e até dois salários mínimos (1.270 euros).

A data do pagamento deste complemento – 30 de julho – havia sido avançada pela ministra do Trabalho e da Segurança Social, no briefing do Conselho de Ministros extraordinário que deu ‘luz verde’ aos novos de apoio às empresas e ao emprego.

“O Instituto de Segurança Social já fez o processamento neste momento do Complemento de Estabilização e já deu ordem para a transferência que será feita, para que seja paga directamente aos trabalhadores. A informação que tenho estará à disposição dos trabalhadores no dia 30, tal como estava previsto”, afirmou, na segunda-feira, Ana Mendes Godinho, em declarações aos jornalistas.

Recomendadas

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Comentários