Governo quer reforçar apoio a idosos com 400 elementos em 18 brigadas até ao final do mês

Durante a sua intervenção na Assembleia da República, Ana Mendes Godinho destacou também que a Segurança Social vai contar com um reforço de 150 funcionários e anunciou uma linha telefónica de apoio aos lares, gratuita e disponível 24 horas por dia.

Mário Cruz/Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, abordou o reforço das brigadas de apoio a idosos por todo o país, mas também nos trabalhadores da Segurança Social, durante a comissão conjunta com a ministra da Saúde, onde também anunciou uma linha de apoio.

Na comissão desta quarta-feira, 16 de setembro, Ana Mendes Godinho sublinhou que nos últimos meses foram criados “mecanismos extraordinários para que nos momentos em que as próprias instituições não conseguem ter trabalhadores; nesse sentido, criamos medidas extraordinárias seja através de mobilização do programa do IEFP que neste momento já colocou cerca de 7 mil pessoas em instituições ao longo de todo o país”.

“Uma ajuda fundamental, aliada da mobilização de voluntários”, segundo a ministra do Trabalho. O apoio será ampliado e Ana Mendes Godinho anunciou que é objetivo do Governo ter “400 pessoas nas 18 brigadas em todo o país para que estejam sempre mobilizáveis”. “A nossa preocupação tem sido conseguir isto”, acrescentou.

Sobre o reforço financeiro para as instituições, Ana Mendes Godinho explicou que “tivemos um aumento de 120 milhões de euros”, lembrando ainda que “nos últimos três anos tem havido um reforço de todos os apoios”. A ministra do Trabalho lembrou que este tipo de apoio conta com “a possibilidade de pagarmos excecionalmente até os serviços de apoio ao domicilio do serviço domiciliário a quem tem as respostas suspensas dos centros de dia”.

Ana Mendes Godinho assegurou que  a grande preocupação tem sido “ajudar as instituições a ter capacidade de resposta nas várias dimensões, seja na dimensão da informação técnica e que medidas de prevenção são as mais eficazes e as mais e adequadas para aplicar n caso dos lares”.

A Segurança Social também estará sujeita a mudanças, sendo que a ministra do Trabalho frisou que “esta semana tivemos a notícia que entram 150 pessoas para reforçar a capacidade” de recursos humanos. Ana Mendes Godinho recordou a “descapitalização da segurança social entre 2012 e 2015” onde se perderam “2700 pessoas”. “Neste momento em 2019 conseguiu recuperar-se cerca de 900 pessoas”, destacou a governante.

Durante a sua intervenção, Ana Mendes Godinho enalteceu ainda a criação de uma linha telefónica dedicada a apoiar os lares, gratuita e disponível 24 horas por dia. Num momento em que residem 99.500 pessoas em  2.527 lares de terceira idade.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Ana Mendes Godinho recordou que “noutros países as pessoas foram encontradas abandonadas”

Ministra do Trabalho e da Solidariedade elogiou a “mobilização extraordinária” que considera ter evitado situações mais graves ocorridas noutros países, enquanto Marta Temido apontou responsabilidade a quem “faz atividade económica com a guarda de outros” numa altura em que a pandemia fez do Estado “o grande guarda-chuva de todos”.

Ministras prometem aprender “com o que correu menos bem nos lares”, mas ainda esperam por averiguações

Conclusões da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde quanto às mortes em Reguengos de Monsaraz são, segundo Marta Temido, essenciais para que não se discuta “com base em informação contraditória”. Ana Mendes Godinho destacou “grande articulação” com as autarquias e as instituições que detêm os lares no final da audição conjunta na Assembleia da República.
Recomendadas

Livre anuncia apoio à candidatura presidencial de Ana Gomes

Apoio à antiga eurodeputada socialista foi garantido por quase 90% dos membros e apoiantes do partido que participaram na consulta. Grupo de contacto do Livre diz que Ana Gomes “tem mostrado que será uma Presidente livre, dialogante e firme”, contrapondo o mandato “complacente, passivo e conservador” de Marcelo Rebelo de Sousa.

PEV também qualifica Plano de Recuperação e Resiliência de “oportunidade perdida”

“Verdes” saíram “preocupados” da reunião com o primeiro-ministro, coincidindo com a Iniciativa Liberal nas dúvidas quanto à forma como as propostas do documento podem criar “condições reprodutivas que possam permitir o desenvolvimento do país e do bem-estar das populações”.

Iniciativa Liberal vê Plano de Resiliência como “indício de uma oportunidade perdida”

João Cotrim Figueiredo reagiu ao Plano de Recuperação e Resiliência com críticas ao “dirigismo” e “aspetos propagandísticos” de um documento em que apenas um terço das verbas se destinam a investimento reprodutivo, com recapitalização das empresas e geração de emprego.
Comentários