Governo vai pagar viagens de regresso a Portugal a emigrantes e descendentes

Esta medida irá “permitir a criação de incentivos que reduzam os custos do regresso a Portugal” de trabalhadores portugueses e dos seus descendentes.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, no âmbito do “Programa Regressar”, o apoio ao regresso a Portugal de trabalhadores portugueses que tenham emigrado, bem como dos seus descendentes.

Desta forma, esta resolução irá “permitir a criação de incentivos que reduzam os custos do regresso a Portugal e que facilitem a transição profissional e geográfica para os trabalhadores e para os seus agregados familiares. Ao mesmo tempo, reforça as condições para a criação de emprego, para o aumento do investimento e para combater o envelhecimento demográfico”, esclarece o Governo em comunicado.

No entender do Executivo, “o Governo dá, assim, continuidade à política de valorização dos portugueses que estão deslocados pelo mundo, mediante a adoção de medidas que visam valorizar o potencial das suas qualificações, dos seus percursos e da ligação que mantêm com Portugal”.

Relacionadas

Conselho de Ministros aprova decreto-lei que “clarifica o regime transitório de supervisão das associações mutualistas”

Na reunião de hoje também foram aprovados “em definitivo três decretos-leis no âmbito do processo de transferência de competências previsto na Lei-Quadro da Descentralização” e também o “Programa Regressar”, apoio ao regresso de trabalhadores portugueses que emigraram.
Recomendadas

“Um dia negro” ou um “passo em frente”? Nova diretiva dos direitos de autor foi aprovada

A União Europeia aprovou hoje a nova reforma dos direitos de autor, que incluem os polémicos artigos 11 e 13 (agora conhecidos por 15 e 17). A lei, que foi aprovada com 348 votos a favor e 274 contra, não era alterada desde 2001.

CGD: BE questiona EY sobre créditos aprovados com base em “concorrência de mercado”, apesar de pareceres negativos

A responsável da auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, Florbela Lima, revela que a auditora não avaliou “qualidade das decisões” como créditos aprovados com risco negativo. A resposta foi dada à deputada do BE, Mariana Mortágua, na comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão da CGD, que arrancou nesta terça-feira, 26 de março, os trabalhos no Parlamento.

“Um resultado histórico e virtuoso”: António Costa reage ao melhor défice em democracia

Primeiro-ministro reagiu aos dados do INE que revelam que o défice de 2018 se fixou em 0,5% do PIB. António Costa destaca que resultado coloca Portugal melhor preparado “para a conjuntura internacional e para continuar a reforçar o investimento público”.
Comentários