Governo vai recorrer ao Constitucional para travar reforço dos apoios sociais

Primeiro-ministro decidiu enviar os diplomas sobre os apoios sociais para o Tribunal Constitucional. Costa nega conflito ou divergências com Marcelo Rebelo de Sousa e os apoios serão pagos enquanto a lei estiver em vigor. Recorda ainda que é prática do Palácio Ratton que mesmo que considere a lei inconstitucional não se apliquem efeitos retroativos.

António Cotrim / Lusa

O Governo vai suscitar junto do Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva dos três diplomas que reforçam os apoios sociais no âmbito da pandemia, aprovados pelo Parlamento e promulgados pelo Presidente da República contra a vontade do Executivo. A decisão foi anunciada pelo primeiro-ministro, António Costa, justificando que “subsistem questões por resolver” e que “é perigoso que se abra um precedente”.

“Entendo ser meu dever solicitar ao Tribunal Constitucional a apreciação das normas aprovadas pela Assembleia da República e que considero inconstitucionais. Trata-se obviamente de um exercício normal das minhas competências, no quadro do princípio na separação interdependência de poderes previsto na Constituição da República, ou seja, como muito bem sintetizou o senhor Presidente da República: é a democracia e o Estado de Direito a funcionarem”, disse o chefe do Executivo em conferência de imprensa esta quarta-feira, depois de dois dias de reflexão sobre o tema.

O primeiro-ministro defendeu que “uma vez aprovado o Orçamento, a Assembleia da República não pode nem aumentar a despesa, nem diminuir a receita previstas no Orçamento que aprovou”, considerando que os diplomas “violam” a norma-travão.  “No entender do Governo, a legislação que [a Assembleia da República] aprovou viola a Constituição porque excede o limite da despesa fixado no Orçamento que a própria Assembleia da República aprovou”, disse, defendendo que “não é aceitável é que depois de aprovado o Orçamento e a partir desse momento é o Governo o único e exclusivo responsável pela sua execução, que essa execução possa ser alterada”.

“Lei é Lei e a Constituição é a Lei Suprema, que é nosso dever cumprir e fazer cumprir”, afirmou, vincando que o que “está em causa é a defesa da Constituição e o modo como garante a estabilidade do orçamento e estabelece o equilíbrio de poderes entre o Governo e a Assembleia da República”, pelo que o pedido será feito ao Constitucional “com urgência”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou no domingo três diplomas aprovados pelo Parlamento, que prevêem o alargamento do universo e o âmbito dos apoios sociais previstos para trabalhadores independentes, gerentes e empresários em nome individual, o aumenta dos apoios para os pais em teletrabalho e a extensão das medidas excecionais para profissionais de saúde à recuperação dos cuidados primários e hospitalares não relacionados com a pandemia.

O Chefe de Estado considerou não existir uma violação indiscutível da Constituição, justificando ainda com a urgência das medidas, mas deixou aberta a porta ao Governo, numa mensagem que António Costa classificou, na altura, como “interessante”, “inovadora” e “criativa”, na qual Marcelo Rebelo de Sousa refere que “os diplomas podem ser aplicados, na medida em que respeitem os limites resultantes do Orçamento do Estado vigente”.

Questionado sobre o impacto da decisão para a relação entre Belém e São Bento, António Costa afirmou este quarta-feira não haver “nenhum conflito com o senhor Presidente da República, nenhuma divergência com o Presidente da República”, considerando que  a mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa reafirma que o Parlamento “tem que cumprir a Constituição e cumprir os limites da lei-travão”, tendo sido “bastante explícito num esforço de conter os danos constitucionais daquelas leis e dizer que elas só seriam aplicáveis na medida” que se acomodassem no Orçamento em vigor – que o primeiro-ministro leu, segundo o próprio, como “dando quase como uma carta branca ao Governo para ir medindo em que medida é que eram aplicável ou não era aplicável aquela lei”.

“Aquilo que entendo o Governo é que esse esforço do Presidente da República, que registamos e que é apreciável, não resolve um conjunto de problemas práticos”, acrescentou, identificando os problemas: o Governo não pode deixar de cumprir uma lei que está em vigor e como é que se cumpriria essa lei.

Contudo, António Costa garantiu que “o Governo não pode deixar de cumprir uma lei da Assembleia da República enquanto esta vigorar”, ainda que a considere “inconstitucional”, pelo que até haver uma decisão do Tribunal Constitucional “cumpriremos a lei enquanto a lei estiver em vigor”.

O primeiro-ministro entende ainda que o Tribunal Constitucional pode limitar os efeitos da declaração de inconstitucionalidade e possa vir a entender que declara estas normas inconstitucionais, mas só produzindo efeitos a decisão a partir do momento em que é proferido o acórdão, sem efeitos retroativos, “não obrigando as pessoas a devolver o dinheiro que entretanto venham a receber”.

“Diria que acho provável que o Tribunal Constitucional se vier a declarar inconstitucional restrinja os efeitos da declaração. Não me quero substituir ao Tribunal Constitucional nesse sentido, mas diria que é provável que assim aconteça tendo em conta aquela que é a prática do Tribunal Constitucional”, vincou.

O ministro das Finanças, João Leão, havia dito esta terça-feira, em entrevista ao programa “Tudo é Economia” da RTP3, que o reforço dos apoios sociais viola a norma-travão, mas mais do que o impacto orçamental está em causa o precedente que abre.”O que está em causa não é tanto o impacto financeiro da medida, cerca de 40 milhões de euros mensais, mas, sobretudo, o princípio, porque a Constituição é muito clara ao dizer que o parlamento não pode, durante a execução orçamental, aprovar medidas com impacto na despesa ou na receita”, disse.

(Atualizado às 19h30)

Ler mais

Recomendadas

Três eurodeputados portugueses vão escrutinar aplicação da ‘bazuca’ europeia

Na lista, composta por 27 eurodeputados de diferentes países, estão o social-democrata José Manuel Fernandes e o bloquista José Gusmão, aos quais se junta a eurodeputada socialista Margarida Marques enquanto suplente. 

Bruxelas multa três empresas ferroviárias da União Europeia em 48 milhões por cartel

A Comissão Europeia anunciou esta terça-feira ter multado em 48 milhões de euros três empresas ferroviárias da União Europeia (UE), duas alemãs e uma belga, por alegado cartel de repartição de mercado no transporte ferroviário transfronteiriço de carga.

INE: Março com melhorias em vários indicadores, mas efeito base não pode ser ignorado

As melhorias homólogas que alguns indicadores apresentam devem ser tomadas com cuidado, por compararem já com um cenário de pandemia em 2020. Ainda assim, a confiança dos agentes em março já reflete a melhoria perante a saída de um período de confinamento musculado.
Comentários