Greenvolt assina contrato de liquidez com CaixaBI

Com este acordo, a subsidiária da Altri para as energias renováveis tem como objetivo fomentar a liquidez das suas ações admitidas em bolsa.

A Greenvolt celebrou um contrato de liquidez no passado dia 12 de julho, segunda-feira, com o CaixaBI (Banco de Investimento) com o objetivo de fomentar a liquidez das ações da energética admitidas à negociação no mercado regulamentado da Euronext Lisbon.

De acordo com a nota divulgada esta quarta-feira, o contrato entrou em vigor hoje e terá a duração de um ano. Quanto à sua renovação, o comunicado informa que esta será feita de forma automática “por períodos sucessivos de três meses, caso as partes não o denunciem por escrito e com uma antecedência mínima de 15 dias relativamente ao termo das sucessivas prorrogações”.

No entanto, este contrato “cessa imediata e automaticamente se ocorrer objetivamente conflito”, tanto no entender do CaixaBI como mediante comunicação escrita ao CaixaBI com uma antecedência mínima de 3o dias relativamente à data em que pretenda que a cessação do contrato produza efeito.

As operações estarão limitadas a uma posição máxima que se traduza em ações da Greenvolt num montante igual ou superior a 100 mil euros, a uma posição líquida em carteira de quantidade igual ou superior correspondente a 10 mil euros ou ainda a uma quantidade transacionada, a cada momento, de 30% do volume transacionado na Euronext, definida em termos de quantidade de ações.

A Greenvolt sublinha que o contrato de liquidez deverá ser suspenso, designadamente, nas seguintes situações: (i) Se o ativo subjacente não estiver negociável; (ii) Se a posição acumulada, em quantidade de ações ou em investimento efectuado, atingir a posição máxima, conforme definida no contrato de liquidez; (iii) Se ocorrer falha dos sistemas de negociação do CaixaBI; (iv) Se ocorrer a divulgação de factos relevantes que originem uma variação anormal dos preços das ações; (v) Se ocorrer incumprimento por uma das partes das suas obrigações contratuais, sem prejuízo da possibilidade de resolução do contrato de liquidez pela parte cumpridora; (vi) Se ocorrer mau funcionamento da plataforma de negociação; (vii) Se ocorrerem quaisquer outros eventos que possam motivar alterações significativas ao mercado ou à volatilidade de preços do título, de acordo com os critérios do CaixaBI, agindo razoavelmente.

A entrada em bolsa da subsidiária da Altri para as energias renováveis, liderada por Manso Neto , aconteceu no passado dia 15, com as ações da Greenvolt a fecharem o dia a negociar nos 4,80 euros, acima dos 4,25 euros a que foram vendidas no IPO reservado a investidores qualificados.

Recomendadas

Processo de despedimento coletivo está a ser finalizado, garante CEO da TAP

“Nesta crise, a TAP ajustou-se e definiu um novo plano – TAP 3.0. Ainda estamos na expectativa da sua aprovação, mas já iniciámos a sua implementação”, adiantou Christine Ourmières-Widener, na Conferência Internacional de Controlo de Tráfego Aéreo, que decorre no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

CEO da TAP afirma que crise dos combustíveis teve “impacto é negativo mas ainda não é possível quantificar”

“O resultado é negativo porque não é algo que pudesse ser previsto”, afirmou Cistine Ourmières-Widener, que falava na Conferência Internacional de Controlo de Tráfego Aéreo, promovida pela Associação portuguesa dos Controladores de Tráfego Aéreo (APCTA).

Combustíveis. Famílias com desconto de 10 cêntimos por litro até março, anuncia Governo

O desconto vai ser aplicado nos primeiros 50 litros mensais através do IVAucher, anunciou o ministro das Finanças. Medida custa 133 milhões aos cofres públicos e entra em vigor em novembro.
Comentários