Setor da hotelaria e restauração reclama período de carência nos pagamentos ao Estado e à banca

A Associação de Hotelaria e Restauração considera “insuficientes” as medidas disponibilizadas pelo Executivo e entregou mais de 40 propostas ao Ministério da Economia. AHRESP reclama, entre outras medidas, mil euros mensais por trabalhador, adequação do processo de layoff e período de carência nos pagamentos ao Estado e à banca.

A Associação de Hotelaria e Restauração considera “insuficientes” as medidas disponibilizadas pelo Executivo e entregou mais de 40 propostas ao Ministério da Economia. AHRESP reclama, entre outras medidas, 1.000 euros mensais por trabalhador, adequação do processo de layoff e período de carência nos pagamentos ao Estado e à banca.A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) considera “insuficientes” as medidas governamentais para mitigar os efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus. Nesta terça-feira, 17 de março, setor revela que entregou mais de 40 propostas ao Ministério da Economia. Entre as medidas está a disponibilização de uma linha de apoio à tesouraria de 1.000 euros mensais por trabalhador, a adequação do processo de layoff e período de carência nos pagamentos ao Estado e à banca.

”A disponibilização de uma linha de apoio à tesouraria de 1.000 euros mensais por trabalhador é o valor que a AHRESP exige que o Governo garanta às empresas do canal HORECA, que vivem hoje uma das piores crises de sempre devido à propagação do COVID-19”, revela a AHRESP em comunicado.

A Associação avança que “depois de considerar insuficientes as medidas disponibilizadas pelo Executivo, a AHRESP entregou mais de 40 propostas ao Ministério da Economia”, entre as quais o apoio de 1.000 euros mensais por trabalhador.

“Esta foi uma das mais de 40 propostas que a maior associação empresarial portuguesa apresentou ontem ao Ministério da Economia, numa reunião de trabalho que durou perto de duas horas e que teve como objetivo responder de forma eficaz às dificuldades sentidas pelas empresas de restauração e alojamento turístico”, afirma a AHRESP, dando conta de que a reunião decorreu após a apresentação pública, por parte do Governo, de diversas medidas, consideradas pela AHRESP como insuficientes para diminuir os impactos da atual crise.

Portugal está em estado de alerta desde sexta-feira, e o Governo colocou os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão. Entre as medidas para conter a pandemia, o Governo suspendeu as atividades letivas presenciais em todas as escolas  desde ontem, e impôs restrições em estabelecimentos comerciais e transportes, entre outras.

O Governo também anunciou esta segunda-feira o controlo de fronteiras terrestres com Espanha, passando a existir nove pontos de passagem e exclusivamente destinados para transporte de mercadorias e trabalhadores que tenham que se deslocar por razões profissionais.

Até ontem havia 331 pessoas infetadas, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), tendo sido anunciada nesta segunda-feira, 16 de março a primeira morte por COVID19. Dos casos confirmados, 192 estão a recuperar em casa e 139 estão internados, 18 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). O boletim da DGS assinalou 2.908 casos suspeitos, dos quais 374 aguardavam resultado laboratorial. Das pessoas infetadas em Portugal, três recuperaram.

Ler mais

Recomendadas

Comércio automóvel quer flexibilidade fiscal para diferir pagamentos do IUC

O setor do comércio automóvel diz que já tem 50% das visitas de clientes, mas precisa de maiores estímulos para o abate de viaturas em fim de vida, referem os participantes no ’30 a 3′ promovido pelo Montepio Crédito em parceria com o Jornal Económico. O setor considera que é preciso aumentar a confiança do cliente para relançar as vendas de automóveis.

Bruxelas garante “regras rigorosas” nas PPP em defesa de valores europeus

“Estamos a implementar regras rigorosas da UE, em total concordância com os valores da UE. Também estamos a tomar decisões de financiamento, consultando vários ‘stakeholders’ [partes interessadas], sempre colocando no topo da prioridade as necessidades de saúde e ambientais dos cidadãos”, disse à Lusa fonte oficial da CE.

Alemanha entra em recessão: PIB registou a maior queda desde a crise económica em 2008

No primeiro trimestre do ano o Produto Interno Bruto (PIB) alemão caiu 2,2% em comparação com os três meses anteriores, quando verificou uma descida de 0,1%.
Comentários