Huawei pode continuar a negociar com os EUA até fevereiro de 2020

Apesar da primeira restrição ter sido aplicada em maio, a empresa aumentou a sua faturação, com um crescimento de 24,4% entre janeiro e setembro.

A empresa chinesa Huawei apresentou na segunda-feira, 18 de novembro, o smartphone Mate 30 Pro, em que já são visíveis as consequências das restrições dos Estados Unidos da América, que consideraram a empresa liderada por Ren Zhengfei uma “ameaça à segurança”, avança o ‘El Mundo’.

O lançamento do novo smartphone em Espanha, que já estava condicionado devido à guerra comercial, coincidiu com a extensão concedida pelo Departamento de Comércio dos EUA, que permitiu que as empresas norte-americanas mantivessem as relações comerciais com a Huawei por mais três meses, até fevereiro de 2020.

Com a nova extensão de 90 dias, a Huawei descarta as restrições que os fornecedores norte-americanos iriam aplicar esta terça-feira. Desta forma, a Google ainda pode fazer negócios com o sistema operativo Android, à semelhança da Intel, Xilinx e Broadcom, que podem continuar a fornecer componentes à Huawei.

“A extensão da licença não terá, em circunstância alguma, um impacto substancial nos negócios da Huawei. No entanto, essa decisão não altera o facto da Huawei continuar a receber tratamento injusto”, afirmou a empresa chinesa.

Apesar da primeira restrição ter sido aplicada em maio, a empresa aumentou a sua faturação, com um crescimento de 24,4% entre janeiro e setembro, com o acréscimo de vendas dos smartphones, ampliando a diferença para o fabricante norte-americano, Apple.

Relacionadas

Huawei oferece prémio de 259 milhões de euros aos seus funcionários pelo trabalho desenvolvido durante a guerra comercial com os Estados Unidos

A maioria do dinheiro será investido no departamento de desenvolvimento e investigação, sendo que os cerca de 190 mil funcionários vão receber o seu ordenado a duplicar já este mês, segundo um documento interno dirigido aos funcionários que a Reuters teve acesso.

Ásia domina cada vez mais nos smartphones: Samsung e Huawei lideram vendas mundiais, Apple recua

Apesar de a Huawei ter registado o maior aumento percentual nas vendas, as vendas são lideradas pela Samsung, com a Apple a fechar o pódio.

Huawei disponível para conversar com EUA, mas Trump terá que ir até à China para que isso aconteça

Desde de que a Huawei entrou na “lista negra” da Casa Branca, em maio, nem Trump nem Ren Zhengfei entraram em negociações. “Eu não tenho jatos privados”, explicou o CEO da tecnológica. “Ele tem aviões privados e por isso pode vir até à China sempre que quiser”.
Recomendadas

Café do vulcão cabo-verdiano do Fogo chega ao gigante Starbucks

Uma parceria estabelecida entre empresários holandeses e cabo-verdianos está a levar o café da ilha do Fogo, produzido biologicamente junto ao vulcão, à gigante norte-americana Starbucks, a maior rede de cafés do mundo.

PremiumFintech Pagaqui investe nas criptomoedas

Empresa quer continuar próxima dos pequenos retalhistas e está a criar serviços para que os clientes paguem o café com moedas digitais.

Indígenas protestam junto da sede da Repsol contra petróleo no mar brasileiro

Um grupo de indígenas brasileiros, em conjunto com representantes do movimento de proteção ambiental 350.org, manifestaram-se hoje junto da sede da petrolífera Repsol em Madrid contra o uso de combustíveis fósseis, pedindo um “mar sem petróleo”.
Comentários