Iberdrola assegura controlo de empresa de energias renováveis australiana Infigen

A gigante espanhola concluiu uma OPA sobre 52,75% do capital da empresa australiana, expandindo o seu projeto de renováveis na Austrália.

A Iberdrola deu um passo importante na aquisição da companhia de energias renováveis australiana Infigen Energy, depois de assegurar o controlo de mais de 50% das ações da empresa. A informação foi comunicada à bolsa australiana, o índice ASX, de que a empresa austral havia aceitado a oferta dos espanhóis por 52,75% do seu capital.

“A Iberdrola pode agora nomear a maioria dos membros do conselho de administração da Infigen Energy, desde que haja dois diretores independentes (…) até que a Iberdrola adquira todas [as ações da Infigen]”, pode ler-se num comunicado da empresa australiana.

A oferta dos espanhóis, que avaliaram o total do capital da Infigen em 553 milhões de euros, expirava dia 7 de agosto. O conselho de administração da empresa aconselha os restantes acionistas a aceitar o negócio, que envolve a compra das ações a um valor unitário de 0,92 dólares australianos, ou 0,56 euros.

A concretização do negócio representa também uma vitória da Iberdrola frente ao Grupo Ayala e à sua UAC Energy Holdings, a subsidiária do grupo filipino que tentava também uma OPA sobre a Infigen.

A Infigen é titular de infraestruturas de geração eólica terrestre com 670 MW de capacidade instalada, 268 MW de ativos de geração elétrica convencional e armazenamento de energia de reserva, da produção de 246 MW de capacidade de produção de energia renovável detida por terceiros e ainda um portfolio de vários projetos eólicos e solares com uma capacidade total de 1 GW, reporta a publicação espanhola Expansion.

Já a Iberdrola acrescenta estas capacidades ao seu projeto australiano híbrido de produção eólica e solar de 320 MW, bem como ao seu portfolio global de mais de 58.000 MW, concentrado sobretudo na Europa e América do Norte.

Ler mais
Recomendadas

Como vai ser o novo lay off? Conheça todas as medidas

O ministro da Economia Pedro Siza Vieira apresentou a proposta de flexibilização deste instrumento que, em agosto, substituiu o ‘lay off’ simplificado. As empresas com quebras de faturação homólogas entre 25% e 40% vão poder recorrer ao apoio à retoma progressiva.

Exclusivo JE: Fecho do negócio de saída de David Neeleman da TAP concluído hoje

Três meses depois de ter sido anunciada a sua saída, esta quinta-feira estão a ser assinados os contratos que formalizam a saída do empresário norte-americano da companhia aérea portuguesa.

Mais cheetos, doritos e sumos na quarentena. PepsiCo aumenta receitas para 15 mil milhões de euros

Apesar da reabertura da economia e do regresso à escola, os consumidores mantêm-se mais resguardados e as crianças e jovens com aulas online, o que motivou o crescimento das vendas. As ações do grupo norte-americano estão a subir na bolsa de Nova Iorque.
Comentários