Icelandair espera lucros da Cabo Verde Airlines em 2021

A companhia aérea cabo-verdiana deverá apresentar resultados positivos no próximo ano, mas necessita de contrair um financiamento de longo prazo, de acordo com o grupo irlandês que detém 36% da empresa.

O grupo Icelandair, que lidera a Cabo Verde Airlines (CVA), anunciou a que a companhia aérea cabo-verdiana deverá apresentar resultados positivos em 2021, mas necessita de contrair um financiamento de longo prazo.

A informação consta do relatório com as demonstrações financeiras consolidadas do exercício de 2019 do grupo aéreo islandês, que através da sua participada Loftleidir Icelandic EHF controla, desde 1 de março, diretamente, 36% da CVA.

A Icelandair refere que de acordo com o plano de negócios da CVA, são esperados prejuízos “nos primeiros dois anos após a aquisição” e lucros em 2021. Ainda assim, e sem quantificar, o documento também aponta que os resultados operacionais da CVA no último trimestre de 2019 “ficaram abaixo das expectativas”.

“A CVA está à procura de financiamento de longo prazo. Se o financiamento de longo prazo não for garantido, isso poderá afetar negativamente a operação”, lê-se no relatório do grupo Icelandair, de 7 de fevereiro, que identifica receitas oriundas da companhia de Cabo Verde no valor de 37,2 milhões de dólares (34 milhões de euros) e despesas de 1,1 milhão de dólares (um milhão de euros), em 2019.

O grupo insiste que vê a aposta na CVA como “um projeto de desenvolvimento de longo prazo” e que “acredita que há oportunidades” para transformar o país, através da companhia aérea, num ‘hub’ entre os continentes africano, americano e europeu, “e ao mesmo tempo desenvolver Cabo Verde como destino turístico”.

A CVA anunciou a 5 de fevereiro que Erlendur Svavarsson é o novo presidente da companhia, sucedendo a Jens Bjarnason, que ocupou o cargo desde o início de 2019. Segundo a companhia aérea, Erlendur Svavarsson foi nomeado como parte do contrato de gestão entre a Loftleidir Icelandic e a Cabo Verde Airlines.

Em março, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da então empresa pública TACV (Transportes Aéreos de Cabo Verde) por 1,3 milhões de euros à Lofleidir Cabo Verde, uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF (que ficou com 36% da CVA) e em 30% por empresários islandeses com experiência no setor da aviação (que assumiram os restantes 15% da quota de 51% privatizada).

No seu relatório anual, o grupo Icelandair acrescenta que apesar de não apresentar “exposição material relevante” à companhia aérea cabo-verdiana, “desenvolvimentos negativos nas operações do CVA poderão impactar negativamente as operações do Loftleidir Icelandic em 2020”. Ademais, refere que o plano da frota do Loftleidir Icelandic pressupõe que quatro a cinco aeronaves serão alugadas à CVA durante 2020.

“Se esses planos mudarem, isso poderá impactar temporariamente a geração de receita do Loftleidir Icelandic, porque levaria algum tempo para colocar as aeronaves com outros operadores e esses esforços poderiam acarretar algum custo”, lê-se.

O Governo cabo-verdiano tem em curso o processo de venda de 10% das ações da CVA a trabalhadores e emigrantes e os 39% restantes por outros investidores, através da bolsa.

De acordo com o plano de negócios da companhia, noticiado anteriormente pela Lusa, a administração da CVA previa faturar mais de 9.015 milhões de escudos (81,9 milhões de euros) em 2019, valor que deverá subir para 23.473 milhões de escudos (213,2 milhões de euros) em 2020 e para mais de 46.450 milhões de escudos (422 milhões de euros) em 2023.

A Cabo Verde Airlines aumentou para quase 200 mil passageiros transportados nos primeiros oito meses após o processo de privatização. Os números foram avançados em dezembro à agência noticiosa Lusa por fonte oficial da companhia aérea cabo-verdiana e traduzem-se num crescimento de 85,4% do total de passageiros transportados, face ao mesmo período de 2018.

A companhia garante ligações do arquipélago para Dacar, Lisboa, Paris, Milão, Roma, Boston, Washington, Lagos, Fortaleza, Recife, Salvador e Porto Alegre.

Ler mais
Relacionadas

Aeroportos de Cabo Verde atingem recorde de 2,7 milhões de passageiros em 2018

A faturação da empresa pública Aeroportos e Segurança Aérea, que vai ser privatizada, disparou para quase 56 milhões de euros.

Cabo Verde Airlines inaugura voos para Washington, Lagos e Porto Alegre

O ‘hub’ aéreo da ilha do Sal dá este domingo, 8 de dezembro, um passo importante com o início das ligações entre o arquipélago e a capital dos Estados Unidos.
Recomendadas

Economia cabo-verdiana cresceu 5,7% no quarto trimestre de 2019

A evolução homóloga do PIB de Cabo Verde resultou do maior contributo das despesas do consumo final e das exportações.

Transinsular é o primeiro armador nacional a retomar ligações diretas com Cabo Verde

Trata-se de um serviço regular direto (sem transbordo) com frequência quinzenal, desde Portugal (Lisboa e Leixões) para a Praia e Mindelo, que terá conexão com o serviço Atobá Interilhas, com serviço regular para as ilhas do Sal e Boavista. Vai arrancar no próximo sábado, dia 11 de abril.

China faz remodelação no Auditório Nacional em Cabo Verde

Situado no centro da cidade da Praia, é uma das salas de espetáculos do país. Adilson Gomes avançou que a conclusão da primeira fase das obras estava prevista para finais de junho.
Comentários