IGCP emite 949 milhões de euros em operação de troca para alongar prazos da dívida até 2029

Na primeira operação de troca de dívida deste ano, a instituição presidida por Cristina Casalinho adiou em oito anos o reembolso de Obrigações do Tesouro que venciam em 2021.

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública emitiu esta quarta-feira 949 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT), numa operação de troca de dívida para alongar os prazos e que envolveu também a recompra de dívida que chegava à maturidade a 15 de abril de 2021.

A instituição liderada por Cristina Casalinho comprou 949 milhões de euros que venciam a 2021, com uma taxa de alocação de 3,85% e, em troca, vendeu 949 milhões de euros em OT com maturidade a 15 de junho de 2029, com uma taxa de 1,95%.

A estratégia segue assim a explorada pelo Tesouro no ano passado de alongar as maturidades e ‘suavizar’ a curva de amortizações, aproveitando as baixas taxas de juro a que Portugal se tem financiado.

“A vantagem desta operação para o investidor é a de poder trocar um investimento em dívida soberana portuguesa com uma yield negativa de -0.62% por uma rentabilidade positiva de 0.23% para a maturidade 2029″, explicou Paulo Rosa, economista e trader sénior do Banco Carregosa. “É a prova de que os investidores continuam a acreditar na economia portuguesa, pois estão a estender a maturidade dos seus investimentos, e principalmente na continuação da política acomodatícia do BCE”.

Paulo Rosa recordou que o custo a que estas operações têm sido realizadas está abaixo da média histórica que Portugal. “As condições atuais de taxas de juro negativas têm sido extremamente favoráveis para o sucesso destas emissões, baixando a média dos juros pagos por todo o endividamento da República Portuguesa”.

Em novembro do ano passado fez o último leilão de troca de dívida, no qual comprou 532 milhões de euros que venciam a 2021 e, em troca, vendeu 360 milhões de euros em OT com maturidade a 17 outubro 2028 e 172 milhões de euros com maturidade a 18 abril 2034. No total de 2019, as operações de troca de dívida ascenderam a 4.374 milhões de euros, com 2.994 milhões de euros que venciam em 2021 a serem empurrados além desta maturidade.

No Programa de Financiamento para este ano, o IGCP frisou que “a estratégia de financiamento para 2020 centrar-se-á na emissão de títulos de dívida pública nos  mercados financeiros em euros com realização regular de emissões de Obrigações do Tesouro (OT), para promover a liquidez e um funcionamento eficiente dos mercados primário e secundário”, refere, acrescentando que “oportunidades para realizar operações de troca e recompras de títulos serão exploradas”.

[Atualizada às 11h03]

Ler mais

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários