Immunethep vence prémio Ibérico de empreendedorismo

Esta empresa portuguesa de biotecnologia venceu o prémio ibérico EmpreendedorXXI na categoria de Ciências da Vida.

A Immunethep venceu o prémio ibérico EmpreendedorXXI na categoria de Ciências da Vida. Esta iniciativa, impulsionada pelo BPI e o CaixaBank, através da gestora de capital de risco Caixa Capital Risc, contou com a candidatura de 146 empresas portuguesas inovadoras, num total de 701 candidaturas de empresas a nível ibérico.

A biotecnológica desenvolve imunoterapias que se baseiam na descoberta de um mecanismo de virulência partilhado pelas diferentes bactérias que causam infeções bacterianas mortais. A Immunethep, um spin-off da Universidade do Porto, está a desenvolver a vacina PNV1 – Paragon Novel Vaccine, que pretende conferir uma proteção robusta contra as principais bactérias que causam infeções mortais incluindo estirpes multirresistentes. A PNV1 pretende ser a primeira vacina capaz de prevenir infeções de múltiplas bactérias e de todos os seus serotipos desde o útero até à terceira idade.

As portuguesas CoolFarm, que desenvolve soluções inteligentes para produções agrícolas, e Heptasense, que dispõe de uma plataforma integrada de reconhecimento de gestos, também ficaram entre as três finalistas das suas categorias, Agroalimentar e Tecnologias de Informação respetivamente, no maior prémio de empreendedorismo da Península Ibérica.

As três empresas vão ter acesso a um programa internacional de crescimento organizado com a Singularity University e a escola de negócios ESADE. Para além deste curso, a Immunethep vai receber um prémio monetário no montante de 25 mil euros.

Recomendadas

Novo Banco: valor dos juros gerados pelos ativos do CCA pode compensar parte das injeções do FdR

Os deputados têm levantado a questão de os juros associados aos ativos do mecanismo de capital contingente, quando não são recebidos acrescerem às perdas, mas quando são recebidos não abaterem às perdas. A audição desta terça-feira foi a João Gomes Ferreira, partner da Deloitte, que fez a auditoria especial ao Novo Banco.

Banca apertou critérios de concessão de crédito a empresas e ao consumo no primeiro trimestre

Os critérios de concessão de crédito foram ligeiramente mais restritivos no crédito a empresas, designadamente a PME, e no crédito ao consumo e outros fins. Tendo ficado praticamente inalterados no crédito à habitação. As razões prendem-se com a maior perceção de riscos associados à situação e perspetivas de sectores ou empresas específicos e, em menor grau, de riscos associados à situação e perspetivas económicas e às garantias exigidas.

Provedoria de Justiça validou a cobrança de comissões em empréstimos contratualizados antes de 2021

A Provedoria de Justiça defende que a banca pode “cobrar as comissões que entenda”, e critica a “intenção do legislador” de limitar o valor das comissões bancárias, acusando-o de se “intrometer” na “liberdade contratual” e na “autonomia privada”.
Comentários