Immunethep vence prémio Ibérico de empreendedorismo

Esta empresa portuguesa de biotecnologia venceu o prémio ibérico EmpreendedorXXI na categoria de Ciências da Vida.

A Immunethep venceu o prémio ibérico EmpreendedorXXI na categoria de Ciências da Vida. Esta iniciativa, impulsionada pelo BPI e o CaixaBank, através da gestora de capital de risco Caixa Capital Risc, contou com a candidatura de 146 empresas portuguesas inovadoras, num total de 701 candidaturas de empresas a nível ibérico.

A biotecnológica desenvolve imunoterapias que se baseiam na descoberta de um mecanismo de virulência partilhado pelas diferentes bactérias que causam infeções bacterianas mortais. A Immunethep, um spin-off da Universidade do Porto, está a desenvolver a vacina PNV1 – Paragon Novel Vaccine, que pretende conferir uma proteção robusta contra as principais bactérias que causam infeções mortais incluindo estirpes multirresistentes. A PNV1 pretende ser a primeira vacina capaz de prevenir infeções de múltiplas bactérias e de todos os seus serotipos desde o útero até à terceira idade.

As portuguesas CoolFarm, que desenvolve soluções inteligentes para produções agrícolas, e Heptasense, que dispõe de uma plataforma integrada de reconhecimento de gestos, também ficaram entre as três finalistas das suas categorias, Agroalimentar e Tecnologias de Informação respetivamente, no maior prémio de empreendedorismo da Península Ibérica.

As três empresas vão ter acesso a um programa internacional de crescimento organizado com a Singularity University e a escola de negócios ESADE. Para além deste curso, a Immunethep vai receber um prémio monetário no montante de 25 mil euros.

Recomendadas

Seguradora espanhola Mutua de Propietarios lança seguro que cobre incumprimento do pagamento das rendas

A contratação do Seguro de Perda de Rendas constitui também uma alternativa ao aval bancário, reduzindo despesas para inquilinos e proprietários, diz a empresa, que é especializada em soluções de seguro no ramo imobiliário.

Relação rejeita pedido de recusa da juíza do BESA/Eurofin e considera invocações de Salgado “graves”

Na decisão, a que a Lusa teve hoje acesso, o juiz desembargador Carlos Melo Marinho considerou “desajustada” a nulidade requerida quanto à apensação do processo Eurofin ao do BESA e “peregrina” a tese de que “um juiz não pode ter como familiar uma personalidade pública”, em resposta à invocação de falta de imparcialidade de Mariana Machado por ser sobrinha da antiga diplomata Ana Gomes, tendo em conta várias declarações desta sobre o BES e Ricardo Salgado.

Santander avança com financiamento para renovação do equipamento agrícola

“Com recurso a novos equipamentos, dotados de técnicas de precisão, os agricultores poderão reduzir até 25% as emissões de CO2 e induzir a poupança de custos nos consumíveis das explorações”, explica o banco.
Comentários