Insolvências cresceram 44% entre janeiro e abril

No final de abril, tinham sido declaradas a insolvência a 1.173 empresas e registavam-se 19 planos de insolvência aprovados.

O número de entidades insolventes cresceu 44% entre janeiro e abril de 2021 face ao período homólogo de 2020, foi esta sexta-feira anunciado. De acordo com a Iberinform, registaram-se 2.045 insolvências sobretudo por causa do encerramento de processos pendentes. Só em abril, a filial da Crédito y Caución observou 508 insolvências, mais 272 do que em abril de 2020

No primeiro quadrimestre foi requerida a insolvência de 432 empresas, mais 69% face ao período homólogo de 2020, enquanto as declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas passaram de 363 para 421. No final de abril, tinham sido declaradas a insolvência a 1.173 empresas (+49%) e tinham sido aprovados 19 planos de insolvência (+5,6%).

Em comunicado, a Iberinform salienta que o maior número de insolvências registou-se no Porto (503), seguido de Lisboa (408). “Seguem-se Braga, com 249, Aveiro (161), Setúbal (119) e, a alguma distância, o distrito de Faro (70). Na Madeira foram registadas 50 insolvências (+39%), enquanto nos Açores, Ponta Delgada teve um aumento de 70% face a 2020 (total de 17 insolvências), a Horta manteve um único registo em ambos os anos e em Angra do Heroísmo é de assinalar um decréscimo de 50% face a 2020 (total de quatro insolvências)”, lê-se.

Por sectores, a Iberinform registou aumentos de insolvências em todas as áreas de atividade, com exceção do sector da agricultura, caça e pesca. Ora, o sector das telecomunicações foi o que apresentou maior número de insolvências (+400% em termos homólogos). Seguem-se os secores da “eletricidade, gás, água (+100%), comércio de veículos (+81%), indústria extrativa (+50%), construções e obras públicas (+48%), comércio por grosso (+45%) e outros serviços (+44%)”.

Recomendadas

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.
Comentários