Investimento público: uma subida insuficiente para contrariar o desgaste

Desde 2011 que os níveis de investimento não chegam para compensar a depreciação de capital. Cenário condiciona o aumento líquido de ‘stock’ de capital.

Uma leitura imediata dos números do investimento público português revela que este aumentou 24,9% em 2017 face ao período homólogo. No entanto, um olhar mais detalhado revela o lado menos positivo dos dados: o novo investimento continua longe de ser suficiente para colmatar o desgaste, originando um défice na reposição do stock de capital público do país.

A relação de forças entre as variáveis é complexa, pela dificuldade técnica em contabilizar a desvalorização corrente de capital e obsolescência dos equipamentos, mas os dados sobre a formação bruta de capital fixo (FBCF), que corresponde à despesa com a aquisição de activos físicos – infraestruturas como estradas, portos, edifícios, maquinaria e equipamento – e o consumo de capital fixo expõem as fragilidades do potencial para a produção futura.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.

OMS denuncia desigualdades nas vacinas. Países ricos receberam 81% das doses (com áudio)

Enquanto que os países mais ricos já receberam mais de 80% das vacinas, os países com menores rendimentos só acumularam 0,3% das doses.
Comentários