Isabel Vaz e Bárbara Simões vencem Prémio Maria de Lourdes Pintassilgo

Uma engenheira química com provas dadas na gestão de topo e uma jovem mestre em Matemática e Aplicações vencem a segunda edição do prémio do Técnico, que homenageia a única mulher a chefiar um governo em Portugal.

O júri, presidido por Arlindo Oliveira, presidente do Técnico, e constituído pelos professores Luís Oliveira e Silva, Raquel Aires de Barros, Dora Rego, Helena Geirinhas Ramos, Ana Paiva, Ana Póvoa, Isabel Sá Correia, João Ramôa Ribeiro, Maria da Graça Carvalho e José Nuno Canongia Lopes, foi unânime na escolha das vencedoras do prémio Maria de Lourdes Pintassilgo 2017: Isabel Aníbal Vaz e Bárbara Fernandes Simões.

Isabel Aníbal Vaz vence na categoria “Role Model” “pelo seu percurso profissional e social, desde a sua graduação em Engenharia Química no Instituto Superior Técnico até à sua atual posição de presidente da comissão executiva do grupo Luz Saúde”. O júri destaca ainda a forma como, “com o seu exemplo, tem demonstrado a diversidade das competências proporcionadas na sua formação no Técnico”.

Na categoria “young alumni” do concurso a vencedora foi Bárbara Fernandes Simões. O júri reconhece-lhe o “exemplar percurso académico, do envolvimento em atividades inseridas na comunidade do IST, e da sua notável progressão académica que culminou na sua tese de mestrado em Matemática e Aplicações onde desenvolveu um modelo com opções de switching e de abandono, no contexto da indústria petrolífera, com uma nota final de 19 valores.”

Com este prémio, o Instituto Superior Técnico homenageia a Engenheira Maria de Lourdes Pintasilgo, única mulher a desempenhar o cargo de primeiro-ministro em Portugal, e promove o seu exemplo como “engenheira, aluna e líder nacional com um papel determinante e impacto na sociedade portuguesa”.

A primeira edição do prémio foi atribuída a Maria da Graça Carvalho, investigadora, a desempenhar atualmente funções na Comissão Europeia e antiga ministra da Ciência e Tecnologia, e Inês Godet, jovem investigadora na área do cancro da mama na Johns Hopkins University.

Recomendadas

Universidade Católica questiona legalidade do chumbo do novo curso de Medicina

A Universidade Católica Portuguesa acusou hoje a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) de “violar o princípio leal da concorrência” ao chumbar o curso de Medicina proposto pela instituição e refutou a legalidade da fundamentação apresentada.

Educar para a importância do solo na vida humana

A Universidade do Minho assinala esta quinta-feira, 5 de dezembro, o Dia Mundial do Solo, com uma exposição aberta ao público sobre a vida que existe debaixo dos nossos pés.

Católica fecha hoje venda do edifício da Asprela ao Politécnico do Porto

O negócio está avaliado em 11 milhões de euros. A Católica construiu um novo edifício para a Escola Superior de Biotecnologia no campus da Foz.
Comentários