“Isto está a ser transmitido na AR TV? Não era suposto”. Veja o momento insólito na comissão de inquérito à CGD

Questão foi colocada durante a discussão e votação do relatório da CPI à CGD. Reunião decorria em ambiente informal quando um deputado alertou para o facto da transmissão estar a decorrer. Câmaras foram desligadas de imediato. Apesar do pedido, o JE decidiu manter a gravação disponível para os leitores, por se tratar de um tema de interesse público.

A discussão e votação do relatório referente à comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos foi marcada por um momento insólito. A determinada altura, um dos deputados alerta para o facto da reunião estar a ser transmitida através da AR TV. De imediato, foi pedido para desligar as câmaras e apagar a gravação.

Apesar do pedido, o JE decidiu manter a gravação disponível para os leitores, por se tratar de um tema de interesse público.

Veja aqui a gravação da reunião até ao minuto 47:30, altura em que os deputados se apercebem que a sessão está ser transmitida.

 

Recomendadas

PSD declara apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa

Conselheiros nacionais reunidos em Olhão aprovaram proposta da Comissão Política Nacional para apoiar o candidato que “dá mais garantias de equilíbrio e de união nacional no quadro de crise que Portugal atravessa”. Apesar de os sociais-democratas reconhecerem que nem sempre concordaram com o atual Chefe de Estado no seu primeiro mandato.

Portugal apoia plano promovido por Guterres para Covid-19 e valoriza papel da OMS

O primeiro-ministro, António Costa, transmitiu esta sexta-feira o seu apoio ao “plano global” do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, contra a Covid-19 e frisou que Portugal valoriza o papel de coordenação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

PSD considera que é “absolutamente essencial” aproveitar os fundos europeus

Joaquim Miranda Sarmento acredita que o principal problema das empresas portuguesas é “a falta de capitalização” e considerou “absolutamente essencial” que se aproveitem os fundos europeus que podem permitir capital às empresas portuguesas em vez “de estarem a pedir dívida”.
Comentários