Já são oito vacinas. Bruxelas conclui conversações preliminares com a Valneva para comprar até 60 milhões de doses

O contrato previsto com a farmacêutica francesa daria aos Estados-membros da União Europeia a hipótese de comprarem, em conjunto, 30 milhões de doses, e terem uma opção de 30 milhões de doses suplementares.

Reuters

A Comissão Europeia concluiu esta terça-feira as conversações preliminares (exploratórias) com a empresa de biotecnologia Valneva para uma aquisição de até 60 milhões de doses da vacina que está a desenvolver contra a Covid-19.

O contrato previsto com a farmacêutica francesa daria aos Estados-membros a hipótese de comprarem, em conjunto, 30 milhões de doses, e terem uma opção de 30 milhões de doses suplementares. Assim, a Valneva encontra-se a par com a Novavax, com quem Bruxelas também concluiu conversações exploratórias.

“O passo dado hoje no sentido de alcançar um acordo com a Valneva vem complementar a carteira de vacinas da União Europeia e demonstra o empenho da Comissão em encontrar uma solução duradoura para a pandemia”, disse a presidente da Comissão Europeia.

Ursula von der Leyen reiterou que, devido à “persistência” desta situação epidemiológica, ainda é mais importante que os países da União Europeia “tenham acesso a uma carteira de vacinas tão ampla quanto possível, para ajudar a proteger as pessoas dentro e fora da Europa”.

Essa carteira de vacinas tem sido ampliada, depois dos contratos assinados com a AstraZeneca, a Sanofi-GSK, a Johnson & Johnson (Janssen Pharmaceutica), a BioNtech-Pfizer – cuja vacina foi autoridade pela autoridade europeia do medicamento -, a CureVac, e a norte-americana Moderna, que também viu a sua vacina receber, mais recentemente, ‘luz verde’ da Agência Europeia do Medicamento.

“Esta oitava vacina vem aumentar a já vasta e diversificada gama de vacinas na nossa carteira. A sua inclusão permite-nos maximizar as nossas possibilidades de garantir que todos os cidadãos podem ter acesso a vacinas seguras e eficazes até ao final de 2021”, referiu a comissária responsável pela Saúde e Segurança dos Alimentos.

“Todos os Estados-membros iniciaram agora as respetivas campanhas de vacinação e começarão a receber um número crescente de doses, a fim de responder a todas as suas necessidades durante este -ano”, concluiu Stella Kyriakides, citada em comunicado do executivo comunitário.

Ler mais
Relacionadas

Cerca de 74 mil pessoas já foram vacinadas desde 26 de dezembro

Segundo o balanço, mais de 55 mil profissionais de saúde dos hospitais pertencentes ao Serviço Nacional de Saúde já foram vacinados, bem como mais de nove mil nos centros de saúde, 751 nos hospitais das Forças Armadas e 1.267 profissionais do INEM.
Recomendadas

CDS-PP pede encerramento de escolas e apoios “mais rápidos” e “sem burocracias” à economia

O líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, considera que o facto de o Conselho de Ministros estar a ponderar novas restrições, cinco dias depois de se ter reunido, mostra que as medidas tomadas foram “insuficientes”, e pede que os apoios à economia cheguem “mais rápido” e “sem burocracias”.

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

“Nunca assisti a tantas mortes”. Médico e deputado do PSD relata situação de desespero no Hospital de Cascais

Ricardo Baptista Leite realçou mesmo que “é demolidor ter que decidir que doentes vão receber ventilação e quem não vai, a determinar no fundo quem vive e quem morre”, enfatizando a falta de meios naquela unidade.
Comentários