João Ferreira e Jerónimo de Sousa destacam defesa da Constituição na campanha para a Presidência

O candidato apoiado pelo PCP consegue um resultado melhor do que Edgar Silva, que se ficou pelos 3,95%, e destacou a defesa da democracia e da Constituição da República.

João Ferreira reafirmou o “contributo singular” da sua campanha na corrida presidencial, de demonstrar a “atualidade e centralidade” da Constituição Portuguesa, opinião secundada pelo líder do partido que apoiou o candidato, Jerónimo de Sousa.

“Esta candidatura apresentou-se com um objetivo claro: partindo da realidade do país, das suas dificuldades e problemas, das inquietações e preocupações de milhões de portugueses, afirmar uma visão distintiva sobre o que deve ser o exercício dos poderes do Presidente da República e como este pode e deve contribuir para uma mudança de curso na vida nacional que enfrente e supere esses problemas e essas dificuldades”, explicou João Ferreira.

O eurodeputado comunista defendeu que o objetivo foi alcançado, dada a demonstração da “importância do amplo acervo de direitos políticos, económicos, sociais, culturais e ambientais” que o documento confere.

A defesa do Sistema Nacional de Saúde, juntamente as funções sociais do Estado, da cultura e da educação mereceram também uma nota do candidato, que antevê lutas “fundamentais que fortaleçam as raízes do regime democrático na sociedade”, tarefa para a qual espera continuar a contar com o apoio de vários quadrantes que registou nesta eleição.

Também Jerónimo de Sousa, o líder do Partido Comunista, destacou “o valor e significado próprio” da candidatura de João Ferreira, sobretudo na defesa dos trabalhadores, dos serviços públicos e contra “as diversas dimensões de ataque ao regime democrático”.

Para o secretário-geral, a candidatura apoiada pelo seu partido colocou a defesa da “liberdade e democracia no centro” ao focar-se na Constituição da República como “uma referência para uma política de progresso social”.

João Ferreira consegue, ainda assim, um resultado melhor do que Edgar Silva, o anterior candidato comunista a Presidente da República, que conseguira 3,95% dos votos em 2016.

Ler mais
Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários