João Leão diz que já vê a “luz ao fundo do túnel” mas apoios à economia são para manter até ao fim do verão (com áudio)

“O Governo está preparado para continuar a apoiar as empresas e as famílias enquanto a pandemia durar”, garantiu hoje o ministro das Finanças.

João Leão Discussão Oe 2021
Tiago Petinga/Lusa

O ministro das Finanças disse hoje que está mais otimista sobre o desempenho da economia portuguesa para este ano, mas garantiu que o Governo não vai retirar os apoios à economia até ao final do verão.

“Já vemos a luz ao fundo do túnel, o Governo e a Comissão Europeia esperam uma forte recuperação no segundo semestre. Mas não podemos correr riscos no apoio à economia, por isso decidimos ainda este mês estender os apoios às empresas até ao final do verão”, disse João Leão esta sexta-feira, 26 de março.

“O Governo está preparado para continuar a apoiar as empresas e as famílias enquanto a pandemia durar. Estes resultados do mercado de trabalho e das finanças públicas mostram não só a eficácia das políticas seguidas e que podemos olhar para o futuro com mais confiança”, afirmou o governante em conferência de imprensa no ministério das Finanças.

Segundo os dados hoje divulgados pelo INE, Portugal atingiu um défice orçamental de 5,7% em 2020 (depois de ter registado o primeiro excedente orçamental em democracia em 2019), e a dívida pública subiu de 116,8% para 133,6% do PIB em 2020.

A marca de 5,7% de défice orçamental foi menos negativa do que o estimado no Orçamento do Estado para 2021 (défice de 7,3% este ano), ficando mais próximo do previsto pelo Governo no Orçamento Suplementar apresentado em junho de 2020 (défice de 6,3%).

Relacionadas

Taxa de poupança das famílias subiu para 12,8% no ano passado, máximos de 2002

As famílias portuguesas não poupavam tanto desde 2002. Por cada 100 euros de rendimento disponível, pouparam mais cinco euros no ano passado do que poupavam no final de 2019.

Pandemia atira défice para 5,7% em 2020, mais baixo do que o esperado no Orçamento

O impacto da pandemia nas contas públicas traduziu-se num regresso aos défices elevados. Em 2020, as adiministrações públicas registaram um défice de 5,7% do PIB, abaixo das previsões do Governo.

Governo espera “recuperação bastante forte” da economia no segundo semestre

O ministro das Finanças analisou hoje em conferência de imprensa os dados macroeconómicos mais recentes do país.

Governo diz que défice abaixo do previsto foi tendência na generalidade dos países europeus

O Governo defende que o resultado se deve em larga medida à evolução da receita, “que ficou 2,5% acima do previsto”, reflexo “do comportamento positivo do mercado de trabalho que mostrou mais resiliência do que seria de esperar”.
Recomendadas

Banco de Espanha revê em alta previsão de crescimento do país para 6,2% em 2021

A instituição publicou esta segunda-feira o seu relatório trimestral sobre a economia espanhola no qual indica que a melhor evolução da economia está ligada à menor incidência da pandemia de covid-19, ao progresso da vacinação e a uma maior absorção dos fundos europeus.

Von der Leyen: Certificado Covid-19 aprovado num recorde de 62 dias (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, saudou hoje os responsáveis da presidência portuguesa da União Europeia (UE), Parlamento Europeu (PE) e executivo comunitário por terem conseguido aprovar o certificado digital covid-19 num recorde de 62 dias.

Inflação homóloga aumentou para 1,2% em maio

A classe com maior contributo positivo para a variação mensal do IPC foi a dos ‘transportes’, com uma variação mensal de 0,7% (0,5% no mês anterior e -1,3% em maio de 2020). Em sentido inverso, a classe com maior contributo negativo para a taxa de variação mensal do índice total foi a do ‘lazer, recreação e cultura’, com uma variação mensal de -0,6% (-0,3% em abril e -1,6% em maio de 2020).
Comentários