PremiumJoão Rendeiro: “A minha pena é desproporcional”

O ex-presidente do BPP não compreende a condenação a cinco anos e oito meses de prisão efetiva, já que os clientes do banco foram reembolsados. “Eu não sou acusado de burla”, lembra.

“Em Defesa da Honra” é o título do novo livro de João Rendeiro. Vai ser lançado na próxima terça-feira, 20 de abril, e é uma exposição da visão do antigo líder do Banco Privado Português (BPP) sobre o que se passou no banco que foi intervencionado em 2008 e liquidado em 2010. Rendeiro foi condenado a cinco anos de prisão suspensos mediante o pagamento de 400 mil euros a uma instituição de solidariedade. Recorreu, mas viu, no Tribunal da Relação – como pedia o Ministério Público -, a pena agravar-se para prisão efetiva de cinco anos e oito meses por crimes de falsidade informática e de falsificação de documentos.

João Rendeiro recorreu para o Supremo Tribunal, que confirmou a condenação e agora avançou com recurso para o Tribunal Constitucional. Em entrevista ao Jornal Económico, o ex-presidente do BPP fala do que aconteceu no banco e apresenta a sua visão dos factos.

Qual foi a motivação para escrever “Em Defesa da Honra” nesta altura? Qual a grande história que o livro conta?
A motivação foi fazer o rebalanceamento da narrativa. Nos últimos 12 a 13 anos tivemos uma narrativa que foi controlada pelos reguladores e pelo Ministério Público e a pressão mediática dessa narrativa foi verdadeiramente avassaladora em relação a uma narrativa alternativa, e hoje já passou o tempo suficiente para se poderem avaliar os factos de uma maneira diferente.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Mulher sentada junto a uma janela” de Pablo Picasso vendida em leilão por 85 milhões de euros

A venda confirma a vitalidade do mercado de arte, que não sofreu os efeitos da pandemia, mas também o estatuto especial do artista espanhol Pablo Picasso (1881-1973).

“Uma mulher e atriz extraordinária”. SIC lamenta morte de Maria João Abreu

“Vivemos momentos felizes e inesquecíveis, que ficarão para sempre na nossa memória”, lê-se no comunicado emitido pela SIC. 

Ministério da Cultura diz que apoio de abril foi pago na maioria na semana passada

“O pagamento referente ao mês de abril do apoio extraordinário aos artistas, autores, técnicos e outros profissionais da cultura [no valor de 438,81 euros, correspondente a um Indexante dos Apoios Sociais (IAS)] foi feito, na maior parte dos casos, na semana passada. Os restantes pagamentos estão a ser feito esta semana, prevendo-se que fiquem concluídos até [sexta-feira]”, refere o Ministério da Cultura, numa resposta enviada hoje à agência Lusa.
Comentários