Joaquim Miranda Sarmento: “Nos próximos quatro anos é preciso trazer outra Autoeuropa”

Coordenador do programa económico do PSD obteve a concordância do parceiro de debate, o ex-deputado Paulo Trigo Pereira. E admitiu que seria muito mais difícil ver um grande projeto de investimento direto estrangeiro no interior de Portugal.

Joaquim Miranda Sarmento | Cristina Bernardo

O professor universitário e coordenador do programa económico do PSD Joaquim Miranda Sarmento disse nesta segunda-feira, durante um debate sobre o Orçamento do Estado para 2020 organizado pela Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES), que a economia nacional necessita de um novo grande projeto de investimento direto estrangeiro.

”Nos próximos quatro anos é preciso trazermos outra Autoeuropa, garantindo todas as condições menos o financiamento”, disse Miranda Sarmento, obtendo a concordância do parceiro de debate, o também professor universitário Paulo Trigo Pereira, que terminou a legislatura anterior enquanto deputado não inscrito, após ser eleito como independente nas listas do PS.

Respondendo a uma pergunta da plateia sobre a necessidade de essa “nova Autoeuropa” estar localizada no interior de Portugal, Miranda Sarmento refutou que tal seja uma condição sine qua non. “Se a escolha for entre ter uma nova Autoeuropa no litoral ou não ter nenhuma nova Autoeuropa, preferiria tê-la no litoral”, admitiu. Não só por as receitas fiscais daí provenientes poderem financiar políticas de incentivo ao desenvolvimento do interior mas também por reconhecer que “é mais fácil trazer grandes projetos para Lisboa ou Porto do que para Portalegre ou Guarda”.

Os dois professores do ISEG – Lisbon School of Economics and Management são os protagonistas do debate sobre o Orçamento do Estado para 2020 inserido no ciclo “Na SEDES com quem sabe”

Relacionadas
Joaquim Miranda Sarmento na SEDES

Joaquim Miranda Sarmento: “Sem redução de taxas de juro e dividendos do Banco de Portugal teríamos o mesmo défice que em 2015”

O coordenador do programa económico do PSD está a debater o Orçamento do Estado com o ex-deputado Paulo Trigo Pereira no âmbito do ciclo “Na SEDES com quem sabe”.
Recomendadas

Endividamento da economia aumentou 3,1 mil milhões de euros em 2019

O endividamento da economia aumentou em termos nominais no final de 2019, face a igual período de 2018. No entanto, em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 352,1% para 341,2%.

Dívida pública caiu para 118,2% em 2019, abaixo das estimativas do Governo

A dívida pública na ótica de Maastricht prossegue uma trajetória descendente, já que diminuiu face aos 122,2%, registados em 2018. Fixou-se ainda abaixo dos 118,9% esperados pelo Governo.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Comentários