Joe Biden prepara novos impostos sobre o capital

O também chamado imposto sobre os ricos pode colocar sérios riscos sobre os investimentos dos norte-americanos. Mal se soube do caso, não confirmado, Wall Street entrou em stress.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, irá propor na próxima semana o aumento de impostos sobre os rendimentos de capital para financiar cerca de um bilião de dólares em investimentos em creches, educação pré-escolar universal e licenças remunerada para trabalhadores, disseram fontes da administração citadas pela agência Reuters.

A proposta de Biden – que também se pode chamar um imposto sobre os ricos – prevê a subia dos impostos sobre grandes rendimentos de 37% para 39,6% para os que ganham mais de um milhão de dólares por ano, e quase multiplicar por dois os impostos sobre ganhos de capital para 39,6%.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que o presidente discutirá o seu ‘Plano para as Famílias Norte-Americanas’ durante um discurso ao Congresso na próxima semana, mas recusou a comentar à Reuters a questão do eventual aumento dos impostos.

O governo ainda não finalizou os planos de financiamento dos investimentos, mas o executivo está determinado em aumentar o investimento em creches, educação infantil e tornar os trabalhadores americanos mais competitivos.

Questionada sobre se as propostas tirariam estímulos os investimentos nos Estados Unidos, Psaki disse que Biden e sua equipa económica não acreditam que as medidas que vierem a ser avançados possam ter um impacto negativo. Mas observou que o Congresso, profundamente dividido, deve aprovar as medidas tributárias incluídas no plano.

Como seria de esperar, o conhecimento da proposta, que está em preparação há semanas, provocou imediatamente quedas acentuadas em Wall Street, com o índice de referência S&P 500 a cair 1% no início da tarde, a queda mais acentuada no último mês.

 

Ler mais
Recomendadas

União Europeia exige cessar-fogo imediato entre Israel e Palestina, Hungria abstém-se

O chefe da diplomacia da UE apontou que o único país a abster-se de firmar esta tomada de posição foi a Hungria”, sendo que “não é uma novidade” que o tenha feito.

Moçambique. EUA esperam “conclusão satisfatória” do conflito em breve

“Estamos comprometidos com o Governo [moçambicano] a fazer todos os possíveis para proteger civis, prevenir futuros ataques e aliviar o sofrimento. (…) Esperamos que sejamos capazes de enfrentar e chegar a uma conclusão satisfatória muito em breve”, afirmou Linda Thomas-Greenfield.

Santos Silva partilha “graves preocupações” com Turquia

O chefe da diplomacia portuguesa reconheceu que tal “é muito preocupante, porque a Turquia é um pais candidato à integração europeia, além de ser um grande vizinho da Europa e um parceiro muito importante em varias áreas de segurança, natureza geoestratégica e outras”.
Comentários