JPP quer revitalizar o tecido empresarial de Machico através de plataforma camarária

O candidato refere que para isso a Autarquia poderá promover feiras e criar ações promocionais, no sentido de atrair a entrada de novas empresas e também promovendo as empresas já existentes, “criando riqueza e ajudando Machico a crescer, a criar emprego e a engrandecer”.

O JPP esteve esta quarta-feira junto à antiga Associação Comercial e Industrial de Machico para apresentar uma das medidas a implementar pelo partido para revitalizar o tecido empresarial do Concelho.

Carlos Costa, candidato do JPP à Câmara Municipal, lamentou o encerramento desta Associação que “foi um organismo associativo empresarial fundamental em Machico na canalização e atração de empresas” e que, segundo o porta-voz, permitiu fixação e o sucesso de várias empresas no concelho.

“Acontece que esta Associação desapareceu. Está desativada e o JPP acredita que a Câmara no âmbito das suas competências materiais tem de substituir-se a esta Associação e promover a atração de novos investimentos e novos apoios”, destacou.

Carlos Costa salientou que as verbas que estão a chegar do PRR são um canal que tem de ser aproveitado. “É preciso, rapidamente, junto do Instituto de Desenvolvimento, procurar os meios financeiros para poder acudir e ajudar as empresas a recapitalizá-las, a ajudar a promover medidas e ideias empreendedoras de forma a que queiram sediar-se cá”, frisou.

“A nossa candidatura tem um grande propósito e também constando nas atribuições das autarquias locais e no regime jurídico tem a obrigação de se adiantar”, referiu.

“Sabemos que em Machico, 75% das nossas empresas estão sediadas e canalizadas para o setor terciário, à base de serviços e comércio e é preciso proteger estas empresas e os empregos. Tem de existir uma plataforma interna que procure e canalize os meios próprios para a autarquia no sentido de depois poder ajudar e distribuir pelas empresas”, destacou.

Recomendadas

Qual o balanço dos partidos sobre os resultados eleitorais?

Na generalidade, os líderes dos partidos com representação no Parlamento consideraram que alcançaram os objetivos a que se propuseram, embora também alguns representantes partidários tenham assumido que os resultados ficaram “aquém dos esperado”.

“É muito difícil não ver na conquista de Lisboa alguns indícios preocupantes para o PS”, avalia subdiretor do JE

A capital protagonizou a grande surpresa da noite com a vitória de Carlos Moedas. Na análise aos resultados das eleições autárquicas, Leonardo Ralha, subdiretor do JE, considera que, apesar da ganhar a maioria das autarquias do país, os socialistas vão ter que analisar este resultados e perceber se refletem o desgaste do próprio Governo.
Cartazes de Carlos Moedas e Fernando Medina

Nenhum candidato chegou aos 100 mil votos pela primeira vez desde que há eleições autárquicas

Carlos Moedas e Fernando Medina protagonizaram a primeira disputa pela Câmara de Lisboa, com a exceção das intercalares de 2007, em que não houve qualquer candidato a chegar à centena de milhar de eleitores. Para trás ficam as enormes vitórias, acima dos 200 mil votos, que dos dois lados do espectro político ocorreram em 1979 e 1993.
Comentários