Khashoggi: Erdogan diz não compreender “silêncio” dos EUA

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou hoje não compreender “o silêncio” dos Estados Unidos sobre o assassínio do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

STR/Lusa

“Não consigo compreender o silêncio da América (…) Nós queremos que tudo seja esclarecido, porque se trata de uma atrocidade, trata-se de um assassínio”, disse Erdogan numa entrevista televisiva, acrescentando: “O assassínio de Khashoggi não é um assassínio comum”.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou em meados de janeiro, num périplo pelo Médio Oriente, ter obtido garantias de Riad relativamente a este caso, embora reafirmando a aliança estratégica com a Arábia Saudita.

Khashoggi, que escrevia para o diário norte-americano The Washington Post e se mostrava crítico em relação ao regime de Riad, foi morto a 02 de outubro dentro do consulado da Arábia Saudita em Istambul.

A Turquia afirma que ele foi assassinado por uma equipa de 15 sauditas, e o seu corpo não foi, até agora, encontrado.

O seu assassínio mergulhou a Arábia Saudita numa grave crise diplomática e manchou a reputação do príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, que é acusado por responsáveis norte-americanos e turcos de ter ordenado a morte do jornalista.

Riad imputou este homicídio a elementos “descontrolados”.

O julgamento de 11 suspeitos começou no início de janeiro na Arábia Saudita e o procurador-geral pediu a pena de morte para cinco deles.

Ancara sublinhou várias vezes a necessidade de uma investigação internacional sobre este caso, lamentando a falta de transparência do inquérito saudita.

A relatora especial da ONU sobre as execuções extrajudiciais, sumárias e arbitrárias deslocou-se há alguns dias a Istambul e deverá divulgar em maio um relatório sobre o assassínio do jornalista saudita.

Agnès Callamard reuniu-se nomeadamente com o procurador da República turco em Istambul, Irfan Fidan, e foi recebida pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, Mevlüt Cavusoglu, e da Justiça, Abdulhamit Gül.

Ler mais
Recomendadas

Mais de 60 pessoas continuam desaparecidas após a explosão em Beirute

Passaram quatro dias desde a explosão no porto de Beirute, no Líbano, que devastou a cidade e matou mais de 150 pessoas.

EUA. Serviços de inteligência revelam ameaças de interferência estrangeira nas eleições

O diretor dos serviços de inteligência dos EUA, Bill Evanina, manifestou hoje preocupação com as estratégias para a interferência nas eleições presidenciais por parte da China, Rússia e Irão.

Pandemia suspendeu pressão turística em Macau, com dobro de visitantes de Veneza

No ano passado perto de 40 milhões de turistas visitaram a região, numa área com 30 quilómetros quadrados – mais que Paris (38 milhões), Veneza (20) ou Portugal (27 milhões), depois de o país se tornar um destino popular.
Comentários