Licença sem vencimento: quando e como se pode pedir?

Sabia que pode fazer uma pausa na carreira para terminar estudos ou até por motivos pessoais? Saiba mais sobre o tema neste artigo.

Está há anos para terminar a tese de doutoramento/mestrado ou para fazer um curso que sempre quis? É possível fazer uma espécie de pausa na carreira profissional – a chamada licença sem vencimento – para o efeito. Esta hipótese encontra-se devidamente legislada e permite-lhe prosseguir estes objetivos sem perder o emprego. Explicamos tudo ao pormenor neste artigo da autoria do ComparaJá.pt.

 

Em que consiste uma licença sem vencimento?

A licença sem vencimento encontra-se estipulada no artigo 317º do Código do Trabalho e consiste num período temporal superior a 60 dias consecutivos (nº 2 do artigo supracitado) durante o qual o trabalhador se ausenta do emprego, sem qualquer salário a receber, com o intuito de frequentar “curso de formação ministrado sob responsabilidade de instituição de ensino ou de formação profissional, ou no âmbito de programa específico aprovado por autoridade competente e executado sob o seu controlo pedagógico, ou para frequência de curso ministrado em estabelecimento de ensino”.

Portanto, durante o tempo em que decorrer a licença sem vencimento, tanto o empregador como o empregado encontram-se dispensados dos respetivos direitos e obrigações no que diz respeito à prestação do trabalho.

No fundo, trata-se de uma suspensão do contrato de trabalho, sendo que a única coisa que perdura é o vínculo laboral.

As únicas situações previstas na Lei para a atribuição de uma licença sem vencimento são relacionadas com formação/estudos. O trabalhador pode invocar outros motivos pessoais para solicitar esta autorização, mas, neste caso, o pedido fica inteiramente dependente do consentimento da entidade patronal.

 

O tempo de antiguidade na empresa é afetado pela licença de vencimento?

Conforme o artigo 295º do Código do Trabalho, o tempo desta licença não conta para a antiguidade do trabalhador (ou seja, os meses de antiguidade na empresa são afetados pela licença sem remuneração).

Além disso, a entidade laboral pode contratar um trabalhador temporário para desempenhar as funções do funcionário que foi de licença sem que este último perca o seu emprego.

 

Qual é o prazo máximo?

A Lei nada especifica relativamente ao período temporal máximo em que um trabalhador poderá estar com licença sem vencimento, pelo que fica ao critério do que o trabalhador pretende e do que a entidade empregadora permitir.

Como solicitar?

A licença sem remuneração deve ser solicitada pelo trabalhador à entidade patronal com uma antecedência mínima de 90 dias [alínea c) do nº 3 do artigo 317º] relativamente ao início da licença.

O pedido deve ser efetuado por escrito, por carta ou qualquer outro meio escrito equivalente, e neste deve constar não apenas uma solicitação expressa da licença de vencimento, como também todas as razões pelas quais se está a invocar esta figura jurídica e a duração pretendida.

A decisão (seja esta a recusa ou anuição) relativamente a este pedido deve ser dada também por escrito, por parte do empregador.

 

A entidade laboral pode recusar?

De acordo com o nº 3 do artigo 317º do Código do Trabalho, o empregador pode não autorizar a licença sem vencimento nos seguintes casos:

a) Quando, nos 24 meses anteriores, tenha sido proporcionada ao trabalhador formação profissional adequada ou licença para o mesmo fim;

b) Em caso de trabalhador com antiguidade inferior a três anos;

c) Quando o trabalhador não tenha requerido a licença com a antecedência mínima de 90 dias em relação à data do seu início;

d) Quando se trate de microempresa ou de pequena empresa e não seja possível a substituição adequada do trabalhador, caso necessário;

e) Em caso de trabalhador incluído em nível de qualificação de direção, chefia, quadro ou pessoal qualificado, quando não seja possível a sua substituição durante o período da licença, sem prejuízo sério para o funcionamento da empresa.

Como se processa o regresso ao trabalho?

O retorno do trabalhador após uma licença sem vencimento deve produzir-se com normalidade, retomando-se a atividade laboral tal como acontecia antes.

Consoante o nº 4 do artigo 295º do Código do Trabalho, “terminado o período de redução ou suspensão, são restabelecidos os direitos, deveres e garantias das partes decorrentes da efetiva prestação de trabalho”.

Ainda conforme o nº 5 do mesmo artigo, é importante salientar que “constitui contraordenação grave o impedimento por parte do empregador a que o trabalhador retome a atividade normal após o termo do período de redução ou suspensão”.

Independentemente de se tratar de um direito do trabalhador, importa referir que o empregador também tem o direito de recusar este pedido nas situações em que tal pode causar um prejuízo à empresa, porquanto esta é uma situação que deve ser lidada com alguma sensibilidade.

Relacionadas

Despedimento por justa causa: sabe quando pode acontecer?

Veja as situações que, mesmo em tempo de pandemia, podem justificar a resolução de um contrato, seja por iniciativa do empregador ou do próprio trabalhador, conforme o Código do Trabalho.

Quais as diferenças entre os 7 tipos de contratos de trabalho?

Veja os pontos que distinguem as tipologias de contratos mais comuns em Portugal e saiba o que significam todas as linhas e entrelinhas.

O que significa fazer retenção na fonte?

Já viu o termo “retenção na fonte”, mas não compreende o que significa? Descubra o que é e como incide sobre o seu salário mensal ou pensão.

Conhece os 6 direitos essenciais dos trabalhadores?

Descubra quais são os direitos invioláveis que estão consagrados na Lei para garantir condições laborais e proteger os trabalhadores.

Procura trabalho? Veja como conseguir emprego através do IEFP

Sabia que pode beneficiar de ofertas de trabalho, apoios e formações? Veja como se inscrever. Os jovens e adultos inscritos no Centro de Emprego têm acesso a oportunidades de qualificação escolar e profissional, com orientação.

Recebe o ordenado mínimo? Há 7 benefícios a que tem direito

Da isenção de IMI ao abono de família, são vários os apoios a que tem direito. Conheça-os aqui.
Recomendadas

Hoje é o Dia Mundial do Turismo. Desenvolvimento sustentável do sector é objetivo em 2021

Para o consumidor a comemoração deste Dia é, também, importante. Todo o cidadão tem direito ao descanso e lazer. Gozar relaxada e seguramente as férias ou o tempo de lazer é o desejo de todos os consumidores que, nesse sentido, devem zelar pelo cumprimento dos seus direitos.

Poupanças dos portugueses continuam longe dos níveis pré-pandemia. Famílias sem filhos são as que mais poupam

Na data em que se comemora o Dia Mundial do Turismo, o estudo da Intrum revela que, para 34% dos portugueses, viajar é uma das principais razões para poupar dinheiro todos os meses. Valor este superior ao período homólogo de 2019 que atingiu os 31%.

Tenha atenção aos falsos intermediários de crédito no Facebook, alerta Deco

Se quiser consultar a lista das entidades autorizadas a conceder crédito em Portugal, a atuar como intermediários de crédito ou a prestar serviços de consultoria relativamente a contratos de crédito poderá fazê-lo no sítio do Banco de Portugal, em www.bportugal.pt ou no Portal do Cliente Bancário https://clientebancario.bportugal.pt.
Comentários