“Livrou-se de nós”. Gordon Ramsay deixa 500 trabalhadores desempregados

“Não houve aviso. Fomos convocados para uma reunião e informados que os nossos contratos iam ser rescindidos”, afirmou a chef Torpuc que também foi despedida, acrescentando que muitos funcionários ficaram em devastados pela forma como foram tratados.

O reconhecido chef e júri do programa Master Chef, Gordon Ramsay, despediu mais de 500 funcionários depois de encerrar 12 restaurantes em Londres devido à pandemia de coronavírus, noticia o jornal britânico ‘Daily Mail’. Cozinheiros, empregados e mesa e outros membros foram chamados para uma reunião, onde lhes foi dito que os seus contratos tinham chegado ao fim, estando esta decisão a gerar críticas nas redes sociais.

Depois das reuniões, todos os membros receberam um email que garantia que iriam receber até ao próximo dia 17 de abril, mas que não existiam garantias que fossem chamados a trabalhar quando os restaurantes reabrissem. A chef Anca Torpuc disse ao ‘Daily Mail’ que “todos trabalhámos arduamente para o Gordon Ramsay mas quando mais precisamos do seu apoio, ele livra-se de nós”.

“Não houve aviso. Fomos convocados para uma reunião e informados que os nossos contratos iam ser rescindidos”, afirmou Torpuc, acrescentando que muitos funcionários ficaram em “prantos” pela forma como foram tratados.

“É horrível termos sido todos dispensados. Todos esperamos que esta situação passe para podermos voltar ao trabalho mas há muitos que nunca mais trabalharão para o Ramsay. O comportamento dele foi terrível”, sustentou um membro da equipa que pediu para não ser identificado.

A notícia de que os restaurantes em Londres iam fechar foi dada por Gordon Ramsay, no passado sábado, na rede social Instagram. “Com a situação a mudar diariamente, o nosso foco tem de ser a saúde e segurança dos nossos empregados, convidados e comunidade, e fazer a nossa parte é diminuir o contágio do vírus”, lê-se na mensagem.

“Desde sábado, 21 de março de 2020, todos os nossos restaurantes em Londres vão encerrar temporariamente. Não sabemos quando vamos reabrir, mas o que sabemos é que ao suportarmo-nos durante este tempo, vamos voltar mais fortes que nunca”, indica a mensagem no Instagram.

O governo britânico ofereceu-se para ajudar os trabalhadores demitidos pela pandemia, pagando-lhes 80% dos salários, até a um máximo de 2.500 libras (2.752 euros), enquanto as empresas permanecem encerradas.

Anca Torpuc também levou as críticas para o seu perfil no Instagram. “É uma pena ver a empresa para a qual trabalhaste e deste tudo durante dois anos, a mandar-te embora como se não fosses nada, especialmente em tempos difíceis como este, mesmo que eles não percam absolutamente nada em mante o posto”. Na publicação, Anca agradeceu, ainda que ironicamente, a Ramsay, por ter despedido 500 pessoas, mesmo sabendo que tempos difíceis estão a chegar quando a pandemia acabar.

https://www.instagram.com/p/B-A3zRgjR7-/?utm_source=ig_web_copy_link

Ler mais
Recomendadas

Açores dá incentivo financeiro para quem fizer teste ao vírus antes de visitar região 

A medida destina-se a todos os passageiros provenientes de zonas de transmissão comunitária ativa ou com cadeias de transmissão local ativas, adiantou Vasco Cordeiro.

Espanha regista mais de 10 mil infeções e 241 mortes por Covid-19 num dia

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de infeções, tendo registado mais 3.652 casos do que o número notificado na segunda-feira.

Covid-19: Equipas multidisciplinares de Lisboa e Vale do Tejo contactaram mais de 12.800 pessoas

São mais de 12.800 contactos nos concelhos da Amadora, Lisboa, Loures, Odivelas, Sintra, Almada, Seixal, às quais se juntaram as equipas de Sintra, Oeiras e Arrábida. Profissionais da Saúde, Segurança Social, Proteção Civil/Municípios e forças de segurança têm ido ao terreno sensibilizar a população para as medidas de prevenção da doença.
Comentários