Lucro do grupo Ericsson aumenta 23% até setembro para 1.276 milhões

O lucro antes impostos e juros (Ebit) aumentou 19% até setembro, para 19.900 milhões de coroas suecas (1.984 milhões de euros de euros).

O grupo de telecomunicações sueco Ericsson revelou esta terça-feira que teve um lucro de 12.800 milhões de coroas suecas (1.276 milhões de euros) nos nove primeiros meses deste ano, um acréscimo de 23% em termos homólogos.

O lucro antes impostos e juros (Ebit) aumentou 19% até setembro, para 19.900 milhões de coroas suecas (1.984 milhões de euros de euros).

As vendas aumentaram 1% no período em análise, para 161.000 milhões (16.048 milhões de euros).

No terceiro trimestre, o lucro da Ericsson atingiu as 5.800 milhões de coroas suecas (578 milhões de euros), mais 4%, apesar da perda de quota no mercado na China.

O Ebit trimestral aumentou 2% para 8.800 milhões de coroas suecas (877 milhões de euros).

As vendas, por seu turno, caíram 2% para 56.300 milhões de coroas suecas (5.612 milhões de euros).

A Ericsson realçou o aumento de pedidos da rede 5G (quinta geração de redes móveis), apesar de ter reconhecido dificuldades de fornecimento nos últimos meses devidas à pandemia do novo coronavírus.

“Graças às medidas contínuas para melhorar a resiliência da cadeia de fornecimento, evitamos que isso afetasse os clientes no primeiro semestre do ano. Porém, no final do terceiro trimestre percebemos que houve algum impacto nas vendas devido a problemas na cadeia e isso vai continuar a ser um risco”, salientou o grupo sueco.

Recomendadas

Promotor imobiliário chinês Evergrande avisa que pode falhar reembolso de dívida

O promotor imobiliário chinês Evergrande, que se confronta com uma dívida de 310 mil milhões de dólares (274 mil milhões de euros), avisou esta sexta-feira que pode vir a ficar sem dinheiro para “cumprir as suas obrigações financeiras”.

Sines tem as “melhores condições” para atrair investimento direto estrangeiro, diz Eurico Brilhante Dias

O secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, disse esta sexta-feira que Sines (Setúbal) continua a ser a localização do país com “melhores condições para atrair investimento direto estrangeiro”, no âmbito da transição energética e climática.

Produtores vão gastar até mais 1.500 euros por hectare com escalada de preços

As organizações de produtores de tomate para indústria dizem estar preocupadas com a escalada dos preços dos fatores de produção, prevendo-se, que em 2022, a subida será entre os 1.200 e 1.500 euros por hectare.
Comentários